GATE resgata explosivos encontrados em encomenda do correio

Uma caixa de papelão contendo dez bananas de explosivos e fios de estopim foi detonada no início da tarde de ontem pela equipe do GATE (Grupo de Ações Táticas Especiais) da Polícia Militar. A equipe foi chamada a Bauru especialmente para recolher o artefato, encontrado no interior de uma caixa de papelão de 40 centímetros de comprimento e dez de largura, despachada como encomenda nos correios. O material foi postado no dia 22 de dezembro do ano passado, em São José do Rio Preto (SP), para Pontal do Paraná (PR), mas retornou à origem porque o destinatário não foi encontrado. Depois, permaneceu por seis meses à disposição do remetente e foi recolhido ao centro regional de operações de Bauru - que coordena as operações de todo o interior paulista - para descarte, só realizado depois de um exame de Raio X. Esse exame é que revelou a presença dos explosivos. Depois de desfeita a embalagem, o material foi recolhido para perícia que determinará sua potência e fornecerá elementos para a investigação da Polícia Federal. Os nomes do remetente e do destinatário não foram divulgados para evitar danos à investigação. Essa é a segunda vez que o sistema de Raio X do sistema de triagem da regional de correios de Bauru localiza explosivos. Em outubro do ano passado, foi interceptada uma caixa de sapato despachada de Itu para Ibiúna, onde também havia material do gênero. O tenente Renato Ramos, negociador de crises da PM local disse que, no caso de hoje, não havia possibilidade de o material encontrado explodir durante a passagem pelo sistema.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.