Gaudenzi diz que estuda construção da 3ª pista de Cumbica

No Senado, presidente da Infraero afirma que reforma da pista era programada e não foi feita por emergência

22 de agosto de 2007 | 15h00

O presidente da Empresa Brasileira de infra-estrutura Aeroportuária (Infraero) afirmou nesta quarta-feira, 22, na Comissão de infra-estrutura do Senado, que estuda a construção da terceira pista do Aeroporto Internacional de São Paulo (Cumbica), em Guarulhos. Sérgio Gaudenzi disse que a reforma na pista principal de Cumbica era programada, e não uma obra feita em regime de emergência. O presidente da estatal afirmou também que pretende adiar as reformas de aeroportos para diminuir os gastos da Infraero. "Temos que ter o cuidado para não prejudicar os aeroportos internacionais, que são os que geram as receitas", afirmou Gaudenzi na comissão. Segundo ele, a Infraero terá a oportunidade de reduzir custos a partir da redistribuição da malha aérea em relação a pátios, pistas e estações de passageiros. "Quero fazer com que as empresas operem no mesmo sistema. Temos que unificar o sistema aéreo", afirmou. Segundo ele, a Infraero está trabalhando sempre para que os aeroportos e passageiros tenham segurança. Gaudenzi apontou três aeroportos com maior número de problemas no País: Goiânia, Vitória e Macapá, que precisam de investimentos e tiveram problemas em suas obras quanto à liberação de recursos. 

Tudo o que sabemos sobre:
crise aéreaInfraeroCumbica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.