GCM faz blitz e impede montagem da feirinha no Brás

Os cerca de 3.500 ambulantes não cadastrados junto à Prefeitura que montam praticamente todos os dias, a partir das 4h da manhã, a tradicional feirinha da madrugada na região da Rua Oriente, no Brás, próximo ao centro da capital, não conseguiram instalar suas barracas nesta sexta-feira.Um efetivo de 150 Guardas Civis Metropolitanos (GCM), 20 fiscais da subprefeitura da Mooca, com um caminhão-pipa, um caminhão com carroceria, e duas peruas, chegou à 0h30, antecipando o horário de chegada dos marreteiros, normalmente por volta das 3h. Apesar do clima ter ficado muito tenso no momento em que os ambulantes chegavam à Rua Oriente, até às 05h20 desta manhã não havia sido registrado confronto entre as duas partes.Um princípio de tumulto foi gerado às 3h30 quando duas senhoras que vendiam café da manhã na rua Rodrigues dos Santos tiveram suas barracas apreendidas. Os marreteiros se revoltaram com os guardas afirmando que as duas mulheres não fazem parte dos ambulantes que todos os dias estão por lá.Os marreteiros que formam a feirinha da madrugada reivindicam um alvará por parte da Prefeitura para poderem atuar na região, pois não conseguiram uma vaga no chamado "shopping popular", um estacionamento com 70 mil metros quadrados, onde 30 mil metros são usados por 3.300 camelôs cadastrados e os outros 40 mil, por 150 ônibus que chegam todos os dias de vários pontos do país, trazendo principalmente pequenos comerciantes de outros Estados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.