GCM faz protesto e anuncia greve para segunda-feira

Sindicato cobra que reajuste seja incorporado a projeto que prevê gratificação à PM; votação acaba suspensa

Diego Zanchetta e Felipe Grandin, O Estadao de S.Paulo

20 Agosto 2009 | 00h00

Em queda de braço com a gestão Gilberto Kassab (DEM), por causa do projeto que cria gratificações da Prefeitura para policiais militares , o Sindicato dos Guardas Civis Metropolitanos de São Paulo (SindGuardas) anunciou ontem que vai articular junto à categoria uma paralisação de toda a GCM, a partir de segunda-feira. A decisão foi tomada após um dia de manifestações na frente da Câmara Municipal, com a participação de mais de 300 pessoas.Os protestos foram motivados pelo projeto de lei do Executivo que prevê gratificações de até R$ 1.800 para PMs que participam de operações em convênio com o Município. Os guardas civis afirmam que não são valorizados e querem aumento de salário e um plano de cargos e salários embutido diretamente no projeto para a Polícia Militar."Essa proposta é uma afronta, uma humilhação para a categoria", afirmou o presidente do Sindguardas, Carlos Augusto Silva. "A gratificação dos policiais militares vai ser maior do que o salário de um GCM", disse. Ele afirmou que o piso dos guardas civis é de R$ 855, enquanto na média das cidades da Região Metropolitana de São Paulo chega a R$ 1.700. "É uma incoerência do Executivo dar um reajuste de 0,01% para os servidores municipais, alegando que não tem verba, e depois propor bônus muito maiores para quem nem é da Prefeitura."Além de levar um carro de som, apitos e narizes de palhaço, os GCMs ocuparam a galeria do plenário e chegaram a trocar insultos com o vereador Abou Anni (PV). O parlamentar havia prometido incluir uma emenda ao projeto do Executivo criando um plano de cargos e salários para os GCMs, mas a proposta de gratificação dos PMs foi retirada da pauta sem a proposta. Houve um bate-boca entre o vereador, que estava no plenário, e os guardas presentes nas galerias da Câmara.Após o tumulto, que paralisou o plenário por quase meia hora, o projeto das gratificações teve a segunda votação suspensa. "O prefeito já está ficando sensibilizado e deve mandar um projeto que prevê o plano de cargos para a GCM", afirmou Gilberto Natalini (PSDB). A gratificação aos PMs deve ganhar um projeto substitutivo até o início da próxima semana. No entanto, a assembleia para decidir o início da greve já está marcada para a manhã da segunda-feira, no SindGuardas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.