Gedimar será convocado para prestar novo depoimento

Pivôs do escândalo do dossiê contra o PSDB, depois de cinco dias presos - quatro em São Paulo e um em Cuiabá - o engenheiro Valdebran Carlos Padilha da Silva e o advogado Gedimar Pereira Passos evitaram a imprensa nesta quarta-feira na capital de Mato Grosso e em Brasília. Valdebran mora num bairro classe média em Cuiabá, e Gedimar, em Sobradinho (DF).O advogado de Padilha, Luiz Antônio Lourenço da Silva, disse que seu cliente não tem mais nada a declarar e vai "levar uma vida normal". Ele sustenta as declarações dadas na Polícia Federal sobre o destino o dinheiro: seria repassado à família Vedoin porque os empresários Darci Vedoin e o filho Luiz Antônio Trevisan Vedoin pediram ajuda para pagar trabalhos advocatícios e médicos.Segundo o advogado, Valdebran não tem nenhuma informação a mais que possa acrescentar novos fatos ao episódio do dossiê contra o ex-ministro José Serra. "Com a decretação da liberdade dele, vai demorar para a gente ter interesse nisso. Para mim, acabou", comentou. O advogado de Gedimar, Cristiano Maronna não respondeu as ligações do Estado.Fontes da PF informaram que Gedimar será convidado para prestar novo depoimento nos próximos dias, em Brasília. É que, diferente de Valdebran Padilha, ele não respondeu na terça-feira aos questionamentos feitos pelo delegado federal Diógenes Durado Filho, em Cuiabá. A estratégia, orientada pelo advogado Cristiano Maronna, fez com que o delegado desistisse da acareação. Gedimar foi indiciado por supressão de documentos, crime previsto no artigo 305 do Código Penal.Valdebran e Gedimar foram presos na sexta-feira, no Hotel Ibis, em São Paulo e tiveram a prisão revogada na terça-feira, 19, pelo juiz-substituto da 2ª Vara Federal, Marcos Alves Tavares. Com o engenheiro Valdebran Padilha a PF apreendeu US$ 109,8 mil e R$ 758 mil. O advogado Gedimar Passos foi preso com US$ 139 mil e R$ 410 mil. "A acusação contra Valdebran é leviana e na hora que o Ministério Público tiver interesse nós seremos intimados", disse Lourenço da Silva.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.