Genoino tenta acalmar ânimos sobre orçamento de São Paulo

Em tom conciliatório, o presidente do PT, José Genoino, tentou acalmar os ânimos sobre a guerra do orçamento de São Paulo que ameaça atingir o governo Lula. "Temos que baixar a temperatura e achar a melhor solução para a cidade e para a União", disse. A "guerra" do orçamento foi declarada para mudar a margem de remanejamento do orçamento de 2005 de 5% para 15%. Os vereadores do PT insistem nos 5% e os tucanos querem 20%.Segundo Genoino as equipes de transição do prefeito eleito José Serra e da atual prefeita Marta Suplicy estão trabalhando para chegar a um entendimento e aumentar a margem. "As coisas estão caminhando. Essa vinculação com o Congresso Nacional não é o melhor caminho para solucionar o problema", afirmou o presidente do PT.Genoino evita a palavra guerra de orçamentos, mas admite que existem arestas a serem aparadas. "Há um desentendimento que não é no âmbito geral da União, mas na agenda de transição".João PauloJá o presidente da Câmara dos Deputados, João Paulo Cunha (PT), disse ontem, durante evento do partido no Anhembi, em São Paulo, que a divergência entre PT e PSDB a respeito do orçamento do município é natural. "Acho que o PSDB não deve se pautar por esse tipo de atuação. As coisas não devem ser misturadas. O orçamento de São Paulo é uma coisa e o orçamento da União é outra. Não acho correto unir os problemas."

Agencia Estado,

18 de dezembro de 2004 | 11h44

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.