Gerente é preso em flagrante por pedofilia na zona sul de SP

Ao ser abordado por PMs, ainda tentou fugir, mas foi parado na Avenida dos Bandeirantes

Daniela do Canto e Camilla Haddad, O Estadao de S.Paulo

18 Fevereiro 2009 | 00h00

O gerente de projetos Jacques D?arc Cristiane Elias e Silva, de 46 anos, foi preso em flagrante na noite de anteontem, acusado de abusar sexualmente de uma garota de 10 anos no Brooklin, zona sul de São Paulo. Ele foi surpreendido por policiais militares dentro do seu carro, um Renault Logan, na esquina da Rua Kansas com a Avenida Engenheiro Luís Carlos Berrini, às 19h45. Silva é casado e tem duas filhas, de 8 e 9 anos. O gerente, que é pós-graduado em Tecnologia da Informação pela Universidade de São Paulo (USP), deve permanecer em cela especial. O caso foi registrado como tentativa de estupro e atentado violento ao pudor. Quando foi abordado pelos PMs, que suspeitaram do carro parado e com os vidros fechados e escuros, o suspeito estava com as roupas amassadas e manuseava um preservativo. Segundo a polícia, Silva arrancou com o veículo em alta velocidade e só foi interceptado na Avenida dos Bandeirantes. A garota foi retirada, assustada, do banco do passageiro, que estava totalmente abaixado. Ela disse aos policiais que costuma ficar nos semáforos da Avenida dos Bandeirantes, onde faz malabares. Segundo ela, Silva a chamou e disse que ia pagar um lanche. Ela entrou no carro, mas acabou sendo obrigada a fazer sexo oral e a passar a mão no corpo dele. Aos policiais, o suspeito teria falado apenas que "fez uma grande besteira". A garota fez exame de corpo de delito no Hospital Pérola Byington e, depois, foi encaminhada a um abrigo na região do Tatuapé, na zona leste. Segundo a conselheira tutelar de Pinheiros, Carlina Henrique da Silva, a medida foi tomada porque ela estava fora de casa desde sexta e os pais, separados, eram coniventes com a situação. "A mãe esperou três dias para avisar o pai sobre o sumiço da criança." O pai esteve no 96º Distrito Policial (Brooklin), onde o caso foi registrado. A mãe da menina não havia sido localizada até a noite de ontem. A garota morava com uma meia-irmã por parte de mãe. A conselheira ressaltou que a mãe pode perder a guarda da garota e do filho mais novo. "Provavelmente o menino também fica na rua, porque ele sabia onde a irmã estava. Vou comunicar o Conselho do Jardim Ângela, onde mora a mãe, e o Fórum de Santo Amaro." BOULOS Em julho de 2005, o estudante Gaby Boulos foi preso sob a acusação de violentar e sequestrar para manter em cárcere privado uma menina de 12 anos, que fazia malabares na Avenida Francisco Morato, na zona sul de São Paulo. Boulos ficou detido por cinco meses, até ser solto por uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF). A denúncia contra ele foi rejeitada pela 14ª Vara Criminal da capital em fevereiro de 2006.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.