Gilberto Carvalho diz que não teme investigação da PF

O chefe de gabinete da Presidência, Gilberto Carvalho, disse neste sábado (21) que não teme investigações da Polícia Federal nem da CPI dos Sanguessugas. ?Não tenho nada a esconder e estou pronto para dar todo esclarecimento que for necessário em qualquer instância?, afirmou ao Estado. ?Só espero que a CPI não se transforme em mero instrumento de luta política, como foi a CPI do Fim do Mundo, que acabou desmoralizada?, completou, numa referência à CPI dos Bingos.Carvalho disse não ter feito nada de errado ao telefonar no dia 15 de setembro, uma sexta-feira, para o petista Jorge Lorenzetti, apontado pela PF como o homem que articulou a compra do dossiê Vedoin contra tucanos. ?Eu cumpri um dever de Estado, de buscar informações para o presidente Lula frente a uma notícia imprecisa que havia chegado?, argumentou.O rastreamento telefônico da PF revelou duas ligações entre Carvalho e Lorenzetti. Questionado sobre o motivo de ter discado justamente para Lorenzetti - já que o nome do petista ainda não havia sido mencionado no escândalo -, o chefe de gabinete foi taxativo: ?Eu telefonei para a pessoa que era da área de informação da campanha, a respeito da qual não pesava nenhuma suspeição naquele momento.?Amigo de Lula desde a década de 80, Lorenzetti é citado pelo presidente como integrante do ?bando de aloprados? que negociou o dossiê com o empresário Luiz Antônio Vedoin por R$ 1,75 milhão. ?Ao invés de ficar comprando dossiê, ele deveria buscar informações do que os adversários preparavam contra nós?, disse Carvalho.colaborou Fausto Macedo

Agencia Estado,

21 de outubro de 2006 | 22h15

Tudo o que sabemos sobre:
eleiçõeseleições 2006

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.