Gilmar Mendes e embaixador da Itália silenciam sobre Battisti

Já há no STF uma petição da defesa de Cesare Battisti para a revogação da sua prisão preventiva

Agência Brasil,

20 de janeiro de 2009 | 17h12

O embaixador da Itália, Michele Valensise, evitou os jornalistas após se reunir na tarde desta terça-feira, 20, com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Gilmar Mendes, em audiência pautada pelo processo de extradição contra o escritor italiano Cesare Battisti. Valensise deixou o tribunal por uma saída privativa e a assessoria de imprensa do STF informou que Mendes também não faria comentários sobre a visita.   Veja também: Lula enviará carta ao presidente italiano sobre caso  Carta de italiano causa mal-estar no governo  Battisti diz que recebeu com 'alívio' decisão de Genro  Suplicy defende asilo a Battisti; Sarkozy conversou com Lula  TV Estadão: Ideologia não influenciou concessão de refúgio, diz Tarso   Documento: Processo do Ministério Público que defere extradição de Battisti     O governo italiano estuda ingressar com uma ação no STF contra a decisão unilateral do ministro da Justiça, Tarso Genro, que concedeu refúgio político a Battisti na última semana. O ministro contrariou o parecer do Comitê Nacional para os Refugiados (Conare), que havia negado, por 3 votos a 2, o pedido em favor do escritor .   Battisti foi condenado em seu país de origem à prisão perpétua em duas sentenças, pela suposta autoria de quatro assassinatos, entre 1977 e 1979. Na época, o escritor  militava na  extrema esquerda da Itália, vinculado ao grupo Proletários Armados pelo Comunismo (PAC).   Já há no STF uma petição da defesa de Battisti para a revogação da sua prisão preventiva. Ele foi preso pela Polícia Federal, no Rio de Janeiro, em 18 de março de 2007, e atualmente encontra-se detido na penitenciária da Papuda, no Distrito Federal.   Entretanto, antes de analisar a petição, Mendes solicitou  parecer à Procuradoria Geral da República (PGR) sobre a possível extinção do processo de extradição e a soltura de Battisti. O documento da PGR ainda não foi concluído, o que deve ocorrer nos próximos dias. Em abril de 2008, em parecer anterior, a PGR se posicionou favorável à extradição e afirmou que Battisti cometera crimes comuns, não crimes políticos.   Enquanto a questão se arrasta, agrava-se o desconforto diplomático entre os dois países. O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, enviou uma carta ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva para expressar seu descontentamento com a decisão do governo brasileiro. Lula já confirmou que responderá, mas não divulgará o conteúdo da mensagem. Publicamente, diversas autoridades italianas criticaram o governo brasileiro pelo ato, que Lula definiu como uma "decisão soberana", a ser respeitada pelo país europeu.

Tudo o que sabemos sobre:
cesare battistitarso genro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.