Gilmar Mendes nega ter falado com Serra durante julgamento

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, nega ter recebido telefonema do presidenciável José Serra (PSDB) na quarta-feira antes de pedir vista no processo sobre a exigência de dois documentos para votar, interrompendo o julgamento que foi retomado na quinta. "Eu não recebi ligação do Serra naquele dia. Isso é fantasia. E aquela coisa de que ele me chamou de "meu presidente" também é fantasiosa", afirmou, negando o que foi noticiado pela Folha de S. Paulo. "Nós somos amigos e ele nunca me trata assim, nos chamamos pelo nome." E acrescentou: "Aquela foto da Folha, sei lá o que foi... Serra estava tenso, e sei lá eu se ele não estava ligando para o presidente do Palmeiras?"

, O Estado de S.Paulo

02 de outubro de 2010 | 00h00

Para Mendes, "o que é realmente grave" está ficando em segundo plano. "Sabe o que é grave? Grave é ação do Marcio Thomaz Bastos em cima da maioria dos ministros que ele nomeou", disse, referindo-se ao ex-ministro da Justiça. "Grave é o marqueteiro do PT ter sugerido a mudança. Grave é a Justiça Eleitoral ter investido R$ 4 milhões na prestação de serviço aos eleitores, durante meses, para dizer quais documentos levar, e tudo mudar às vésperas do pleito." E completou. "Eu disse que ia pedir vistas para pelo menos tentar colocar um pouco de reflexão no processo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.