Gol é condenada a pagar indenização à família de uma vítima

A família do engenheiro Kelison Castello Branco, uma das vítimas da queda do Boeing da Gol, em 29 setembro, vai receber pensão mensal de R$ 10 mil até o julgamento final do processo, segundo decisão da juíza Ione Pernes, titular da 37.ª Vara Cível do Rio de Janeiro. Ela deferiu a antecipação da tutela, que determina a inclusão provisória da mulher e da filha de 14 anos do engenheiro na folha de pagamentos da empresa aérea.De acordo com o advogado da família, João Tancredo, a decisão é inédita no caso do vôo 1907. Ele disse acreditar que, ao final do processo, o valor de eventual indenização pela morte do engenheiro, incluindo danos morais e materiais, chegue a US$ 1 milhão.Na decisão, a juíza cita o "grave perigo de dano na demora, já que aquelas (mãe e filha) se encontram sem a maior parte de ganhos para proverem as suas subsistências". O valor da pensão foi calculado com base no salário de Castello Branco, que tinha 45 anos. Ele morava no Rio e viajara a Manaus a trabalho para a Construtora OAS. "Observa-se que o marido e pai era quem provia a manutenção daquelas, e que o seu falecimento retirou parte substancial da fonte de subsistência das suplicantes", escreveu a juíza.A pensão deverá ser paga enquanto o processo não for julgado definitivamente. O pedido de antecipação da tutela foi feito com base no Código de Defesa do Consumidor, segundo o qual os passageiros devem ser levados até o destino final. "A antecipação de tutela é uma decisão parcial, enquanto o processo tramita. Eu apresentei provas de que ele era passageiro, de que morreu e de quanto ganhava", declarou Tancredo. "É um alento para as famílias, porque a gente sabe que a Justiça é lenta. Com essa rapidez, dá certa esperança. Na verdade, isso prova que Justiça brasileira pode não ser a Justiça tupiniquim que muitas pessoas propagam. Neste caso, teve conduta exemplar."A família do engenheiro não daria entrevista, segundo o advogado. Ele disse que está prevista para esta quinta uma reunião com representantes da Gol para discutir a indenização.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.