Gol e TAM retomam voos para Argentina após cinzas se deslocarem

Nuvem de cinzas vulcânicas causadas pela erupção do vulcão Puyehue se deslocou

Solange Spigliatti, do estadão.com.br,

17 Outubro 2011 | 08h28

SÃO PAULO - As operações das companhias aéreas Gol e TAM para os aeroportos de Buenos Aires, na Argentina, voltaram ao normal por volta das 10 horas desta segunda-feira, 17. Os voos das duas empresas aéreas estavam cancelados desde domingo por conta do avanço da nuvem de cinzas do vulcão Puyehue, no sul do Chile. 

Segundo a TAM, a nuvem de cinzas vulcânicas causadas pela erupção do vulcão Puyehue se deslocou, permitindo que os voos que decolam de e para os aeroportos de Buenos Aires (Ezeiza e Aeroparque), voltem ao normal. O mesmo ocorreu com os voos previstos da Gol, que também restabeleceu as operações nos aeroportos internacionais Ministro Pistarini e Aeroparque Jorge Newbery, em Buenos Aires, e em Montevidéu, no Uruguai.

No entanto, três voos da TAM, que decolariam nesta manhã do aeroporto de Ezeiza para os aeroportos de Cumbica, em Guarulhos, e Tom Jobim, no Rio, foram cancelados, além de dois voos de e para Assunção, no Paraguai, que teriam escala nos aeroportos argentinos. As operações em Montevidéu, no Uruguai, permanecem suspensas.  

Os clientes da TAM devem ligar para a Central de Atendimento antes de se dirigir ao aeroporto para verificar a condição de seus voos ou para remarcá-los. Os números são: Brasil - 4002-5700 (capitais) e 0800-570-5700 (demais localidades) Argentina - 0 810 333 3333 Chile - 56 2 6767 900 Paraguai - 595 21 659 5000 Uruguai - 000 4019 0223

A Central de Relacionamento da Gol também está disponível para receber ligações dos passageiros nos números 0300-115-2121 (Brasil), 0810-266-3232 (Argentina) e 598-2403-8002 (Uruguai). As reacomodações serão providenciadas sem cobrança das taxas previstas e, se os clientes preferirem cancelar a viagem, receberão o reembolso no valor integral dos bilhetes.

Mais conteúdo sobre:
vulcão chile voos gol tam argentina uruguai

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.