Márcio Fernandes/AE
Márcio Fernandes/AE

Gol usará aeronaves maiores para regularizar voos, anuncia Anac

Plano inclui cinco Boeings 767 fretados, que acomodam 230 pessoas; frota atual comporta até 178

Priscila Trindade, da Central de Notícias

03 de agosto de 2010 | 20h03

SÃO PAULO - A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) informou nesta terça-feira, 3, que a companhia aérea Gol/Varig usará cinco aeronaves de fretamento como o Boeing 767, com capacidade para cerca de 230 passageiros, para regularizar os voos atrasados e cancelados da empresa.

 

Veja também:

linkNos cinco Juizados, apenas 104 reclamações

linkFuncionários da Gol decidem fazer paralisação

lista Saiba seus direitos em atrasos e cancelamentos

 

O plano foi apresentado pelo diretor de Operações da companhia. A frota atual da companhia conta com aeronaves que acomodam entre 140 e 178 passageiros. A empresa também se comprometeu a apresentar relatórios semanais à Anac sobre a quantidade de horas de trabalho dos tripulantes.

 

Segundo a agência, a empresa informou que, em julho, ao implantar uma melhoria no sistema, "ocorreu o problema e foram gerados dados incorretos que culminaram no planejamento inadequado da malha aérea e da jornada de trabalho dos tripulantes. Por essa razão, foi adotada novamente a configuração de escala do mês anterior".

 

Na segunda-feira, passageiros que compraram bilhetes da Gol sofreram com atrasos e cancelamentos. A empresa atribuiu os atrasos a um "pico de movimento em razão do retorno das férias escolares" e à implantação de uma nova escala de funcionários. "Na ocasião, algumas tripulações atingiram o limite de horas de jornada de trabalho previsto na regulamentação da profissão e foram impossibilitadas de seguir viagem, gerando um efeito em cadeia", informou a empresa por meio de nota.

 

Ontem, dos 784 voos previstos pela Gol entre 0 hora e 22 horas, 408 (52%) registraram atrasos e 99 (12.6%) foram cancelados. Hoje, das 0 hora até às 19 horas, a companhia registrava atrasos em 258 (36.7%) das 703 partidas programadas e 52 (7.4%) cancelamentos, segundo dados da Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.