Goldman vem ao País para ver o filho

Assessoria de padrasto, que tem a guarda de S., nega encontro

Clarissa Thomé, O Estadao de S.Paulo

12 de março de 2009 | 00h00

O americano David Goldman, que disputa a guarda do filho S.G., chegou ontem ao Rio. Em entrevista concedida no Aeroporto Tom Jobim à TV Globo, David disse que veio ao País para visitar o filho, "com autorização da Justiça brasileira". A Assessoria de Imprensa do padrasto de S., o advogado João Paulo Lins e Silva, que tem a guarda da criança, informou que não há nenhum encontro marcado.David também deve passar por testes psicológicos, exigidos pela Justiça. Lins e Silva já passou por esses exames. O advogado Marcos Ortiz, que defende Goldman, disse que decidiu "restringir a divulgação" de detalhes sobre a vinda do americano ao Brasil. "Fomos repreendidos por dar informações sobre o processo", afirmou Ortiz, sem explicar de quem partiu a reprimenda. Goldman não se hospedou no hotel em que costuma ficar quando vem ao Rio.EXPLICAÇÕESOntem, a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado aprovou um convite para que o ministro Paulo Vannuchi, da Secretaria Especial de Direitos Humanos, dê explicações sobre a atuação do governo brasileiro na disputa pela guarda do menino S.G.. A União move uma ação contra Lins e Silva, pelo cumprimento da Convenção de Haia, que prevê que a criança sequestrada de seu país seja devolvida em até seis semanas. A convenção também estabelece que depois de um ano deve-se levar em conta a adaptação da criança no país para o qual foi levada. S. está no Brasil há quase cinco anos, período em que não teve contato com o pai.Goldman diz que foi orientado por seus advogados a não encontrar o filho, para não descaracterizar o sequestro internacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.