Thomas Santos/AGIF
Thomas Santos/AGIF

Goleiro Bruno se apresenta à polícia após STF determinar que volte à prisão

Jogador estava solto desde o dia 24 de fevereiro, quando uma liminar do ministro Marco Aurélio Mello lhe concedeu habeas corpus

Rene Moreira, Especial para o Estado

27 Abril 2017 | 14h06
Atualizado 27 Abril 2017 | 14h19

FRANCA - O goleiro Bruno Fernandes, condenado pela morte e ocultação de cadáver de Eliza Samudio, apresentou-se na tarde desta quinta-feira, 27, na Delegacia Regional de Varginha, no sul de Minas Gerais, dois dias depois que uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) determinou que ele voltasse à prisão. 

Era perto das 14 horas quando ele se apresentou à polícia. Após os trâmites no local, ele passará por exames de praxe e será mandado para o presídio da cidade.

Bruno estava solto desde o dia 24 de fevereiro, quando uma liminar do ministro Marco Aurélio Mello concedeu habeas corpus ao goleiro com os argumentos de que o jogador tem bons antecedentes e que o recurso da defesa ainda não fora apreciado pelo Tribunal de Justiça mineiro. Por três votos a um, o colegiado decidiu não referendar a liminar de Marco Aurélio Mello. 

O goleiro foi condenado em março de 2013 a 22 anos e seis meses de prisão. Desta pena, ele cumpriu seis anos e sete meses de detenção em regime fechado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.