Goleiro Bruno tem mais um pedido de liberdade negado pelo STJ

Para relator, periculosidade de ex-atleta, acusado de matar ex-noiva, é motivo para manter prisão

Estadão.com.br,

20 Outubro 2011 | 18h36

SÃO PAULO - O Superior Tribunal de Justiça (STJ) negou o pedido de habeas corpus apresentado pela defesa de Bruno Fernandes de Souza, considerando fundamentada a decisão que mantém preso o ex-goleiro do Flamengo. O relator, ministro Sebastião Reis Júnior, afirmou que a periculosidade do réu é motivo adequado para a manutenção da prisão cautelar.

Bruno está preso há um ano e três meses, acusado da morte de Eliza Samudio, com quem teve um filho. O corpo não foi localizado, mas a investigação policial aponta que o goleiro e outras oito pessoas participaram do assassinato. O motivo seria a insatisfação do atleta com o pedido de pagamento de pensão da jovem.

Inicialmente, Bruno foi preso em razão de decreto de prisão preventiva. Em dezembro do ano passado, ele foi pronunciado pelo crime de homicídio e a ordem de prisão foi mantida. Atualmente, cinco dos nove acusados estão em liberdade.

Mais conteúdo sobre:
goleiro Bruno Eliza Samudio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.