Golpe consistia em informar peso errado de contêiner

Segundo a Polícia Federal, a mercadoria apreendida nesta semana era fabricada na China e vinha para o Brasil em navios. Os contêineres chegavam ao Porto de Santos, onde passavam pela Alfândega. E depois seguiam de caminhão para o depósito em Guarulhos. Ali, os produtos eram separados e distribuídos em pequenos caminhões e vans. O golpe aplicado era no peso da mercadoria armazenada. No Documento de Importação (DI) apresentado por J.N., um dos proprietários do galpão, aos fiscais da Receita constava que o peso total líquido de cada contêiner era de 13 toneladas. Mas os agentes federais constataram que havia pelo menos 22 toneladas de produtos em cada um. Nove deles entraram no País sem a arrecadação dos impostos. "Até o momento não temos a confirmação de participação de funcionários do porto no esquema", disse o delegado da Polícia Federal Carlos Adalberto Iegas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.