TV Estadão
TV Estadão

'Golpe do delivery': você já ouviu falar? Conhece alguém que foi vítima? Conte para a gente

Reportagem do 'Estado' mostra que entregadores praticam crime com máquinas de pagamento fraudadas; deixe seu relato

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2019 | 10h10
Atualizado 04 de outubro de 2019 | 17h13

SÃO PAULO - Uma reportagem publicada pelo Estado nesta sexta-feira, 4, relatou que ao menos duas pessoas foram vítimas do "golpe do delivery" ao pedir refeição por aplicativo. A produtora cultural Thássia Moro pagou com cartão de débito R$ 2 mil por um burrito que custava R$ 35. O prejuízo do gerente de projetos Luis Sanches foi ainda maior: R$ 4.621,68 por uma comida indiana de R$ 108,50.

Em ambos os casos, os clientes encomendaram o prato pelo app do iFood. A empresa explicou que crimes como esses acontecem quando entregadores usam máquinas de pagamentos não vinculadas à companhia e, "se aproveitando da distração dos consumidores", adulteram o valor da compra. 

Você já teve problemas com o pagamento de refeições pedidas por aplicativos? Já foi vítima do "golpe do delivery" ou conhece alguém que enfrentou a fraude? Deixe seu relato na caixa de comentários ou em nossas publicações no Twitter do Metrópole ou do Estadão e nas páginas de Facebook do Metrópole ou do Estadão.

DICAS: Veja como se prevenir do 'golpe do delivery'

  • Sempre que possível, pague por meio do aplicativo, e não pelo cartão de crédito ou débito na hora da entrega.
  • Peça para o entregador tirar o capacete e tente fazer o pagamento em um ambiente que esteja sendo filmado. 
  • Certifique-se de que o valor digitado na máquina de pagamentos corresponde ao valor do pedido. Se a máquina estiver danificada a ponto de dificultar a visualização do valor, se recuse a pagar e peça por outro equipamento. 
  • Ative no seu banco o serviço de informe por SMS de pagamentos feitos no crédito e no débito. Assim que fizer o pagamento, confira a notificação enviada por mensagem. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.