Golpes por telefone aumentam no interior paulista

As cidades de Jacareí, São José dos Campos e Taubaté, todas no interior paulista, estão sendo alvos de quadrilhas especializadas em aplicar o golpe do telefone. Só em Jacareí, foram registradas mais de 200 reclamações de assinantes que receberam contas telefônicas com valores absurdos. "As queixas registradas aqui no Procon somam prejuízos de mais de R$ 120 mil", afirmou o diretor da entidade José Rubens de Souza.Em Jacareí, o Procon solicitou à Embratel o cancelamento das contas, mas segundo ofício encaminhado nesta quarta-feira à entidade, o pedido foi negado. "Agora vamos até a Promotoria pedir uma ação civil pública para o cancelamento das contas. É impossível permitir que os assinantes paguem por este crime", disse Souza.No Procon de São José dos Campos as queixas de contas com valores abusivos e números de telefones desconhecidos dos assinantes começaram a aparecer. Na cidade de Taubaté, um metalúrgico que não quer se identificar recebeu contas com valores que variavam de R$ 2 a R$ 4 mil, totalizando R$ 8,6 mil e apresentavam um único número de celular.Desnorteado com a situação, o metalúrgico resolveu procurar a Polícia Civil e o Procon. "Eu nunca gastei mais de R$ 30 e não sei o que vou fazer com essa conta".Depois que os crimes começaram a ocorrer com frequência em Jacareí, a empresa Telefônica tomou três medidas: suspendeu durante o mês de agosto as ações de telemarketing na cidade, determinou que o serviço de transferência de chamadas seja feito a partir do telefone habilitado e ainda enviou cartas de orientação contra os golpes a todos os assinantes.Como a maioria das ligações era de celulares do Rio de Janeiro, as denúncias foram parar no Serviço de Inteligência da Polícia Federal daquele Estado, que continua investigando os casos, segundo a assessoria de imprensa.O crime começa a ser aplicado quando um golpista liga para a casa do assinante, se identifica como da Telefônica ou de uma empresa prestadora de serviço, e oferece algumas vantagens ou serviço, solicitando os números de documentos do titular da conta. Com o RG e CIC em mãos, o golpista liga para a Telefônica solicita o serviço de transferência automática de chamadas. Depois liga novamente para o assinante, pedindo que ele cadastre alguns números em seu telefone. A partir daí, todas as ligações feitas do celular cadastrado pelo assinante estarão sendo cobradas no telefone fixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.