JAIRO CHAGAS / JORNAL DA MANHÃ
JAIRO CHAGAS / JORNAL DA MANHÃ

Governo de MG associa ataques a bloqueadores de celular em presídios

Fernando Pimentel confirmou participação de facção criminosa; desde domingo, 26 municípios mineiros registraram ataques e 47 pessoas foram presas ou apreendidas

Leonardo Augusto, Especial para O Estado

05 Junho 2018 | 18h34

BELO HORIZONTE - O governo de Minas Gerais associou nesta terça-feira, 5, os ataques a ônibus e prédios públicos no Estado a uma reação a bloqueadores de celular em presídios e a um suposto rigor do sistema prisional. Quarenta e sete pessoas foram presas ou apreendidas suspeitas de participação nas ações. O governador do Estado, Fernando Pimentel (PT), disse, ainda, que tem a confirmação de que os ataques são ordenados por "uma facção criminosa", sem citar qual seria. 

Segundo o secretário de Estado de Administração Prisional (Seap), Sérgio Menezes, há informações de que presos da penitenciária de Patrocínio, no Alto Paranaíba, estariam insatisfeitos por haver bloqueadores de celular no local.

Ainda de acordo com Menezes, existe a possibilidade de remanejamento de presos, que seriam ligados à facção criminosa responsável pelos ataques. Nesta terça-feira, 5, o Estado mostrou que os ataques contra ônibus em Minas Gerais foram ordenados pelo Primeiro Comando da Capital (PCC)

Desde domingo, 3, 26 municípios registraram ataques, conforme dados da Polícia Militar. Cerca de cinquenta ônibus foram incendiados. "A essa altura está caracterizado que foi mesmo obra, que está sendo obra de uma facção criminosa, de uma organização criminosa que atua no Brasil inteiro e que nesse momento concentrou sua atuação em Minas Gerais", disse Pimentel, que se reuniu nesta terça no Palácio da Liberdade com representantes das forças de segurança do Estado. A PF também participa de reuniões sobre os ataques.

++ PCC ordena atentados simultâneos em RN e MG e põe outros Estados em alerta

Segundo o governador, o Estado está "pagando o preço de nossos presídios, do nosso sistema prisional ser mais rigoroso do que a média brasileira. Aqui nós não afrouxamos o sistema carcerário para organização criminosa nenhuma. E por conta disso estamos pagando esse preço. Estamos sofrendo ameaça, sendo atacados". Conforme o petista, o rigor será mantido.

Paisana. Conforme a PM, para combater os ataques aos ônibus, a corporação estabeleceu sistema de vigilância com soldados à paisana dentro dos veículos, além de estar trabalhando para o levantamento de informações da área de inteligência para identificação exata de onde estão saindo as ordens de ataque.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.