Governador de Minas compara queda de rocha em Capitólio a queda de raio

Governador de Minas compara queda de rocha em Capitólio a queda de raio

Romeu Zema afirmou que as investigações devem ser feitas, mas fez questão de frisar que o que houve foi uma fatalidade

Emílio Sant'Anna, enviado especial

10 de janeiro de 2022 | 20h37

CAPITÓLIO - O governador de Minas Gerais, Romeu Zema, afirmou que o acidente em Capitólio foi uma fatalidade como a queda de um raio. Ele foi à cidade na tarde desta segunda-feira, 10, para ver o local do desastre que matou dez pessoas na região dos cânions.

No clube náutico da cidade , ele se reuniu com bombeiros e policiais civis e militares que participaram do resgate dos corpos. “Não sou especialista nessa área, mas quero deixar claro que o que aconteceu ali é algo inédito”, disse. “E quando cai um raio, quem é o responsável?”

Zema afirmou ainda que as investigações devem ser feitas, mas fez questão de frisar que o que houve foi uma fatalidade. O corpo de bombeiros explicou ao governador a dinâmica das buscas e mostrou a Zema um vídeo com imagens da lancha submersa após a queda da rocha.

Sobre as chuvas no Estado e as situações de emergência, o governador de Minas afirmou que o governo federal enviou RS 45 milhões em ajuda. Apesar das chuvas, os reservatórios da região Sudeste vem sofrendo com o baixo nível de água. Zema culpa “os ambientalistas” pela situação e pelo acionamento de termoelétricas por se oporem à construção de mais usinas hidrelétricas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.