Ministério da Justiça
Ministério da Justiça

Governador do Ceará pede reforço em segurança para evitar reação de facções

Com cerca de 400 homens no Ceará, a Força Nacional ainda tem previsão de continuar mais duas semanas no Estado

Breno Pires, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2019 | 16h50

BRASÍLIA - O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), pediu ao ministro Sérgio Moro, da Justiça e Segurança Pública, reforço no quadro de agentes penitenciários nas unidades prisionais do Estado. Em reunião nesta quinta-feira, 17, Santana explicou a Moro que houve queda significativa no número de ataques nos últimos dias, mas defendeu a continuidade do alerta tanto das forças estaduais como nacionais como forma de evitar reações das facções criminosas.

Com cerca de 400 homens no Ceará, a Força Nacional ainda tem previsão de continuar mais duas semanas no Estado. O número de agentes penitenciários adicionais pedidos pelo governador é 90.

"Precisamos ser firmes, mostrar que quem manda é o Estado. Tivemos um pico de ações nas ruas e elas tiveram redução significativa. Para se ter ideia, ontem (quarta-feira, 16) houve apenas duas ocorrências. Mas vamos continuar mantendo as ações dentro do sistema prisional, transferindo líderes para presídios federais. E é preciso se manter em estado de alerta e e de acompanhamento e prevenção para qualquer tipo de reação", disse Camilo Santana. 

Desde o dia 2 de janeiro, cidades cearenses tem vivenciado ataques a alvos como veículos, prédios públicos e mesmo obras de infraestrutura. O governador afirma que alguns dos ataques deveriam ser classificados como atos de terrorismo e defende mudança na legislação para isso. 

"Incendiar ônibus, tentar explodir uma ponte, danificar prédios públicos, hoje em dia, eu não posso tipificar essa ação como terrorismo. Tem de haver mudança, de acordo com o que está acontecendo no Ceará. São organizações criminosas reagindo a ações fortes do Estado tentando intimidar", disse santana.

Além da Força Nacional, há também agentes de inteligência prisional do Departamento Penitenciário Nacional (Depen) atuando em conjunto com o Estado. 

O governador destacou, como ponto positivo na atuação de inteligência, a recuperação de 5 toneladas de explosivos no último sábado, 11. "Havia uma preocupação forte minha porque houve um assalto ano passado no Ceará em que roubaram quase 6 toneladas de explosivos. Pegamos 5 toneladas no sábado e 700 kg na quarta", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.