Governador do MT não quer ouvir falar em apagão

O governador do Mato Grosso, Dante de Oliveira (PSDB), afirmou nesta quinta-feira que vai propor ao coordenador da Câmara de Gestão da Crise de Energia, ministro Pedro Parente, que o Estado do Mato Grosso fique fora do programa de racionamento de energia."Nos últimos anos fizemos um esforço brutal para equacionar a questão energética no Mato Grosso, já estamos quase na auto-suficiência, e eu não quero nem ouvir falar de apagão no meu Estado", disse o governador ao sair de uma audiência com o ministro da Fazenda, Pedro Malan. Segundo Oliveira, é preciso fazer mais uma racionalização do que um racionamento de energia. Há cinco anos, Mato Grosso importava 85% da energia consumida. Atualmente, segundo o governador, o Estado produz praticamente toda a demanda de energia. A termoelétrica da Enron no Estado, segundo o governador, subirá sua produção de energia dos atuais 200 MW para 450 MW no final deste mês. Assim, junto com outras geradoras privadas que estão instaladas no Estado será possível atender ao consumo local, que é estimado em pouco menos de 600 MW. O governador de Goiás, Marcone Perillo (PSDB), que participou da reunião na qual Oliveira estava presente, afirmou que o maior drama do País sobre a produção de energia é a falta de água, e não o potencial instalado, que tem capacidade para atender à demanda.Ele acrescentou que espera do governo federal medidas de racionamento que imponham o menor sacrifício possível tanto para os Estados como para a sociedade."Os Estados vão sofrer porque vão perder receitas, além da possibilidade de uma retração econômica reduzir o número de empregos nas regiões afetadas", afirmou Perillo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.