Governador do Piauí descarta federalização de presídio

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), descartou completamente a federalização do presídio Irmão Guido, em Teresina. Dias afirmou que foi surpreendido pela notícia, anunciada na semana passada pelo ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e com a informação da transferência do traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, para o Estado.Com isso, a União fica sem alternativas para transferir o traficante, que terá de sair da superintendência da Polícia Federal em Maceió em 32 dias.Dias reuniu-se nesta quarta-feira com o ministro e ofereceu uma ala com 50 celas ao governo, mas a administração teria de ficar com a Secretaria de Segurança do Estado, que definiria as transferências para o local. A oferta foi rejeitada, mas o ministro garantiu apoio para a reforma da penitenciária.Depois de reconhecer que falou demais ao antecipar a transferência de Beira-Mar para o Piauí, Thomaz Bastos preferiu não falar nada nesta quarta-feira, recusando-se até mesmo a dizer o nome do traficante, a quem voltou a se referir como "pop star".O governador do Piauí deixou claro que o Estado não teria condições estruturais de receber o traficante por causa da precariedade das penitenciárias. "O que queremos é reconstruir o Estado. Mas o presídio Irmão Guido não será federalizado." Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.