Nacho Doce/Reuters
Nacho Doce/Reuters

Governador do Rio Grande do Norte diz que Alcaçuz será fechada 'em breve'

De acordo com Secretaria de Segurança Pública, 26 presos morreram e 56 fugiram desde início de rebelião no presídio

O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2017 | 01h17

SÃO PAULO - O governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria (PSD), afirmou nesta quarta-feira, 25, que a Penitenciária Estadual de Alcaçuz, em Nísia Floresta, na Grande Natal, será desativada em breve. Desde o início da rebelião no local, 56 detentos fugiram e 26 morreram.

De acordo com Faria, a desativação de Alcaçuz vai ocorrer quando as obras nos presídios de Ceará-Mirim, Afonso Bezerra e Mossoró, todos no interior do Estado, forem concluídas. A previsão é de que o fechamento ocorra no médio e no longo prazo. A expectativa é do encerramento das operações até dezembro.

Iniciada em 14 de janeiro, a rebelião de Alcaçuz contabiliza 26 mortos e 10 feridos. Dados da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social apontam que 56 presos fugiram, sendo que 4 foram recapturados.

Muro. O governo tenta, aos poucos, retomar o controle do presídio. Uma das ações planejadas é a construção de um muro para separar as facções.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública, o muro definitivo deve ficar pronto em pouco mais de 15 dias. As placas pré-moldadas já foram encomendadas e, segundo o fabricante, devem ser entregues em cerca de 10 dias.

Além do muro, o governo potiguar tentou transferir detentos de Alcaçuz para o presídio de Parnamirim, mas a operação foi impedida pela justiça. Na avaliação da juíza Nivalda Torquato, isso significaria expor os detentos de outras unidades a "sérios riscos de morte". / COM INFORMAÇÕES DA AGÊNCIA BRASIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.