Governador vê participação de grevistas em ataques em Salvador

Para Jaques Wagner, homicídios e saques ocorridos na cidade são parte da operação montada pelos policiais grevistas

Tiago Décimo, correspondente em Salvador

04 Fevereiro 2012 | 13h44

O governador Jaques Wagner disse acreditar na participação de policiais militares grevistas em homicídios e saques ocorridos em Salvador nas últimas horas, por causa da paralisação parcial da Polícia Militar no Estado, iniciada na terça-feira, 31 de janeiro.

 

"Parte dos crimes pode ser parte da operação montada, da tentativa de criar um clima de desespero na população para fazer o governo sucumbir, uma tentativa de guerra psicológica, como ocorreu recentemente em outros Estados, como o Maranhão e o Ceará", disse o governador, na manhã deste sábado, 4. "Não tenho dúvida que parte de tudo isso é cometido por ordem dos criminosos que se autointitulam líderes do movimento."

 

O governador também negou a possibilidade de anistia dos policiais militares que tiverem cometido atos de vandalismo ou violência durante a paralisação - um dos itens da pauta de reivindicações tanto dos PMs grevistas (cerca de um terço da corporação, de 32 mil homens), quanto dos que continuam trabalhando.

 

"Não existe essa possibilidade, não vejo como anistiar, perdoar, o que quer que seja", disse. "Isso seria como eu dizer a outros criminosos que amanhã ele pode ser anistiado."

 

O governador voltou a dizer, sem citar nomes, que a Justiça baiana já expediu mandados de prisão para 12 lideranças da greve - e que outros quatro já foram pedidos. "Tenho certeza que a determinação judicial será cumprida, porque se tem alguém com mandado expedido contra si e ele não se entrega à Justiça, ele é foragido", afirmou.

 

Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública, houve redução no registro de crimes ocorridos na região metropolitana de Salvador, na madrugada de sábado, na comparação com a madrugada anterior.

O número de homicídios, que havia sido de 18 entre a meia-noite e às 7 horas de sexta, caiu para um na madrugada de sábado, segundo o primeiro balanço disponibilizado pela SSP. O corpo de um homem, ainda não identificado, foi localizado no bairro periférico de Canabrava.

 

Ao longo de sexta, o último balanço da SSP na região metropolitana registrou 28 homicídios, dos quais 21 em Salvador - cidade que registrou, no ano passado, média de 4,2 assassinatos diários.

 

Ministro. No fim da manhã, chegaram a Salvador, para acompanhar os trabalhos das tropas federais enviadas à Bahia, o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, general José Carlos De Nardi, e a secretária Nacional da Segurança Pública (Senasp), Regina Miki.

 

De acordo com Cardozo foi transportado para a Bahia, por determinação da presidente Dilma Rousseff, que decretou situação de Garantia da Lei e da Ordem (GLO) para o Estado, o maior contingente de forças federais já utilizados em operações do gênero no País.

 

"São mais de 3 mil homens das Forças Armadas, para dar tranquilidade ao povo baiano e para fazer com que o Estado de Direito prevaleça", afirmou o ministro. "Estando sob estado de Garantia de Lei e Ordem, qualquer depredação de equipamento configura crime federal - e a Polícia Federal está orientada fazer com que as transgressões à lei sejam apuradas e punidas com o máximo rigor."

Cardozo também contou que já foram criadas vagas nos presídios federais de segurança máxima para receber as lideranças do movimento grevista, que tiveram mandados de prisão expedidos contra si pela Justiça baiana.

 

Arrombamentos. Além do assassinato, foram registrados três arrombamentos em Salvador durante a madrugada de sábado. Um supermercado do bairro do Ogunjá e a Colônia de Pescadores do Rio Vermelho foram saqueados.

 

Uma loja de móveis do bairro do Cabula foi incendiada depois do arrombamento e o fogo comprometeu a estrutura do prédio de três andares localizado acima do estabelecimento. As quatro famílias que moram no local tiveram de deixar as casas.

 

No interior da Bahia, foram registrados ataques a tiros contra estabelecimentos comerciais em cidades como Paulo Afonso, no norte do Estado, e Barreiras, no extremo oeste. Nos dois municípios, todos os PMs aderiram à greve, em assembleias realizadas na noite de sexta.

 

Em Barreiras, por exemplo, duas agências bancárias, uma loja de roupas, uma clínica médica e a sede da TV Oeste, afiliada da Rede Globo, foram atingidas por tiros. Não houve feridos ou saques, segundo a SSP.

 

Vitória da Conquista, no sul do Estado, também registrou estabelecimentos danificados por ação de vândalos. Lojas do centro da cidade e uma agência bancária tiveram as portas quebradas por pedras. Em Feira de Santana, segundo maior município do Estado, foram registrados três homicídios e, em Itabuna, um.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.