Governistas minimizam parecer e dizem que é ''etapa do processo''

Líderes do PT avaliam que não há fato novo na manifestação de Gurgel; Sarney lembra que réus ainda podem se defender

Eduardo Bresciani e Denise Madueño, O Estado de S.Paulo

09 Julho 2011 | 00h00

Parlamentares da base governista minimizaram o efeito da manifestação do procurador-geral da República, Roberto Gurgel, pedindo ao Supremo Tribunal Federal (STF) a condenação de 36 pessoas no processo do mensalão. Na interpretação desses congressistas, as conclusões do procurador-geral são apenas mais um passo no processo e não significam, do ponto de vista jurídico, um atestado de culpa dos denunciados.

O líder do PT na Câmara, Paulo Teixeira (SP), não viu novidade na iniciativa e procurou destacar que o fato não pode ser visto como atual. "Não há novidade. Essa denúncia já foi feita tempos atrás. Era um fato que o PT evidenciou em 2005. Não há fato novo. Os acusados poderão ainda se defender na Justiça. É um fato antigo", argumentou o líder petista.

Rigor demais. O senador Humberto Costa (PE), que lidera a bancada do PT na Casa, destacou a exclusão do ex-ministro da Secretaria de Comunicação da Presidência Luiz Gushiken - que na época era ministro da Secretaria das Comunicações - do rol de denunciados no escândalo do mensalão. Costa afirmou que há muito rigor na análise feita pelo Ministério Público a respeito do episódio e disse acreditar que o Supremo não vai acatar todas as acusações.

"A única surpresa foi a retirada do nome do Gushiken, mas ainda acho que o procurador foi muito rigoroso nesse processo. Nós entendemos que muitas dessas denúncias são sem fundamentação", afirmou Humberto Costa. "A última palavra é do Supremo e acredito que o tgribunal deverá levar em consideração vários fatores e fará justiça", acrescentou o senador pernambucano.

O líder petista no Senado reconheceu que, apesar de o caso remontar a 2005, a volta do tema ao noticiário é ruim para a imagem do partido. "Embora seja um assunto sobre o qual a sociedade já se posicionou, já fez um julgamento do PT, isso sempre produz algum tipo de incômodo."

Sarney. O presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), destacou que os denunciados no processo ainda têm possibilidade de apresentar suas posições perante o Supremo. Ele observou, porém, que a manifestação do procurador-geral da República mostra que o processo não foi abandonado pelo Poder Judiciário. "A imagem é que o processo está caminhando, que não está parado", disse Sarney.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.