Governo ampliará recursos para segurança pública, diz Dilma

A ministra da Casa Civil Dilma Roussef disse nesta quarta-feira que o governo vai ampliar os recursos para a segurança pública. "Sem dúvida nós estamos prevendo uma ampliação nos recursos para a segurança pública, diante da prioridade que o presidente Lula estabeleceu", afirmou. Dilma disse que ainda não tem o montante desse aumento de recursos, mas garantiu que haverá um "ênfase" no gasto para esse setor. Mais dinheiro da União para a área foi uma das reivindicações feitas na terça-feira pelos quatro governadores do Sudeste - José Serra (SP), Sérgio Cabral Filho (RJ), Aécio Neves (MG) e Paulo Hartung (ES) - em uma reunião no Rio de Janeiro para discutir a integração das políticas de segurança.Uma das reclamações apresentadas por Serra foi que os valores previstos para 2007 dos fundos Nacionais de Segurança Pública e Penitenciário voltem aos previstos para 2006 e não haja contingenciamento. A verba prevista para 2007 é R$ 147 milhões menor que em 2006. Os governadores também querem o aumento dos efetivos das policiais federal e rodoviária federal nos quatro Estados e o uso das Forças Armadas para patrulhar fronteiras. As reivindicações dos governadores estão em uma carta, que será encaminhada ao governo federal. Dilma diz que a carta ainda não chegou, mas é intenção do governo trabalhar junto com os Estados. "O governo tem todo o interesse em ter um programa bastante efetivo com os governadores e os Estados", garantiu. "É impossível supor que sem a ação consertada dos diferentes órgãos e Estados será possível encarar esses fatos. Tanto que nós tivemos uma propostas, que foi o gabinete integrado de segurança pública". Dilma afirma que a idéia do gabinete já era a da União e dos Estados articularem ações únicas contra o crime e o governo pretende manter isso. No início dessa semana, o ministro da Articulação Política, Tarso Genro, já havia dito que o governo federal ajudaria os Estados no que fosse possível. A resposta foi dada ao plano de José Serra, publicado pelo Estado, de pedir reforços federais para a Polícia Federal no Estado e auxílio no serviço de inteligência. Esta matéria foi alterada às 18h00 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.