Governo auxilia pescadores prejudicados por desastre ecológico no Sul

Os 600 pescadores cadastrados que moram próximos ao trecho do rio dos Sinos onde ocorreu o desastre ambiental que matou pelo menos 50 toneladas de peixes receberão cestas básicas por 60 dias e um salário mínimo por mês até janeiro do ano que vem. A concessão dos benefícios foi anunciada pelo secretário especial de Aqüicultura e Pesca, Altemir Gregolin, durante visita à área, nesta quinta-feira.A mortandade de peixes foi percebida no sábado passado por ambientalistas que costumam percorrer o rio mais poluído da região metropolitana de Porto Alegre. Técnicos da Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) estão vasculhando as indústrias dos municípios de Sapucaia do Sul, São Leopoldo e Portão tentando descobrir qual delas lançou os resíduos químicos na água. Três empresas já foram autuadas por irregularidades que podem ter contribuído para o desastre, mas a investigação prossegue em busca da causa exata.A pesca foi proibida num trecho de 20 quilômetros do rio dos Sinos. O abastecimento de água para as cidades da região não foi suspenso porque os testes indicaram que a qualidade da água continua adequada nos pontos de captação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.