Governo condena especulação sobre ações no Rio

Declarações atribuídas ao Secretário Nacional de SegurançaPública (SENASP), Luiz Eduardo Soares, de que entre as propostas a serem apresentadas ao governo do Rio de Janeiro reduzir a violência no Estado estaria o combate à corrupção nas Forças Armadas geraram um princípio de crise com a área militar. Os comandantes militares ficaram indignados com as insinuações e pediram uma postura oficial do governo.Depois de uma reunião no Palácio do Planalto, em que estavam presentes os ministros da Defesa, José Viegas Filho, da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, e da Casa Civil, José Dirceu, o Ministério da Defesa distribuiu uma dura nota contra às especulações.Nela, o Ministério ?refuta, de forma categórica e serena, a insinuação que permeia certas notícias de imprensa, veiculadas nesta quinta-feira e hoje, a respeito de suposta corrupção nas Forças Armadas?. Mais adiante, a nota insiste que ?este tipo de insinuação, desprovido de qualquer base concreta e lançado contra o conjunto das instituições armadas, causa justificada repulsa?. E acrescenta que essa polêmica ?em nada contribui para a necessária união de esforços entre as autoridades e a população no combate ao crime organizado?. O Ministério da Defesa lembra, na nota que ?as solicitações formuladas em diferentes ocasiões para que as Forças Armadas prestem a cooperação a seu alcance no combate ao crime decorrem, exatamente, da confiança de que desfrutam como instituições que são e continuarão a ser caracterizadas pela probidade e respeitabilidade?.Mais tarde, o próprio secretário de Segurança Pública, Luiz Eduardo, também distribuiu um comunicado oficial no qual garante que a sua Secretaria ?está empenhada, com seu corpo de técnicos, em auxiliar o Ministério da Justiça, ao qual a Secretaria é subordinada, na formulação de propostas para o enfrentamento dos problemas de segurança do Rio de Janeiro?. A nota da Secretaria ?esclarece ainda que, ao contrário do que foi noticiado na imprensa, entre as hipóteses depolíticas públicas em discussão nunca foi cogitada a de combate à corrupção nas Forças Armadas, pois entende que, além de inexistente, esse problema é alheio à pauta que vem sendo construída em parceria com as autoridades daquele Estado?.Na reunião, os três ministros discutiram a pauta que conteria cerca de cem propostas para combater o crime organizado no Estado a ser apresentada hoje, às 16 horas, à governadora do Rio, Rosinha Matheus. Antes da ida ao Rio, uma outra reunião dos três ministros ainda será realizada no Planalto, com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, para que sejam definidas as medidas a serem propostas.O governo federal entende que só será possível atacar efetivamente o narcotráfico fazendo uma limpeza nas polícias porque considera que elas estão contaminadas, em níveis inaceitáveis. Para isso, o governo federal chegou a defender uma espécie de intervenção nas polícias, oque Rosinha Matheus não aceitou.Veja o especial:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.