Governo cria incentivo para combater hanseníase

O ministro da Saúde, Barjas Negri, criou nesta quarta-feira um bônus para incentivar municípios a identificar casos de hanseníase entre seus habitantes. As secretarias municipais de saúde receberão R$ 60,00 a cada nova notificação e as estaduais, R$ 10,00. Com o estímulo financeiro, o governo espera praticamente eliminar a doença no País até 2005, conforme compromisso assumido com a Organização Mundial de Saúde (OMS).A meta é registrar menos de um caso de hanseníase por grupo de 10 mil habitantes, daqui a três anos. Assim, a doença deixaria de ser um problema de saúde pública do País. "Agora, nós precisamos fazer trabalhos comunitários e de sensibilização para que mais entidades não-governamentais e artistas atuem em paralelo ao setor público", apelou o ministro, durante cerimônia de assinatura da portaria que institui novas ações para o combate da hanseníase. O ministro aposta que a detecção de casos novos da doença subirá 30%, com o reforço de recursos, principalmente nos 607 municípios com maior número de leprosos. Entre esses municípios estão os que reúnem mais de 20 mil habitantes e apresentam incidência superior a quatro casos por 10 mil pessoas ou índice de detecção de casos novos superior a dois por 10 mil. As pequenas cidades que registraram pelo menos 12 casos novos, no ano passado, também preocupam o governo. O repasse do bônus somente começará para Estados e municípios que assinarem um Termo de Adesão garantindo investimentos em ações para eliminação da hanseníase até 2005. Caberá a Estados e municípios a realização de campanhas esclarecendo a população, além de mutirões para o diagnóstico da doença e treinamento dos profissionais de saúde. Somente neste ano, o governo pretende investir R$ 48 milhões na prevenção e tratamento desta doença e também da tuberculose. O ministro acredita que o bônus servirá para que o gestor se sinta um pouco mais motivado no combate da doença. Mas conta também com a fiscalização da sociedade. "Espero que a sociedade civil permaneça alerta, vigilante e fazendo a cobrança dos nossos gestores para que a nossa meta seja atingida."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.