Governo da Bahia diz ter localizado corpo de jovem desaparecido

Geovane Mascarenhas de Santana, de 22 anos, sumiu após abordagem policial; pai não reconheceu corpo como sendo do filho

Tiago Décimo, O Estado de S. Paulo

15 Agosto 2014 | 18h11

SALVADOR - A Secretaria de Segurança Pública da Bahia divulgou ter encontrado o corpo de Geovane Mascarenhas de Santana, de 22 anos, desaparecido desde a tarde do dia 2, após uma abordagem policial na Cidade Baixa, em Salvador. Segundo o órgão, o corpo havia sido localizado, decapitado, sem as mãos e parcialmente carbonizado, no Parque São Bartolomeu, no dia 3, e estava no Instituto Médico Legal desde a data. 

Uma cabeça carbonizada e mãos foram localizadas nas proximidades do local onde o corpo havia sido deixado, no dia 4, e a identificação foi feita, na noite de desta quinta-feira, por meio de identificação de impressões digitais. 

Com a localização do corpo, os três policiais suspeitos de envolvimento no desaparecimento do jovem, identificados pela Polícia Militar como Cláudio Bonfim Borges, Jailson Gomes de Oliveira e Jesimiel da Silva Resende, tiveram as prisões temporárias decretadas.

Eles prestaram depoimento durante esta sexta-feira no Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e foram detidos. Eles alegam ter detido o jovem porque ele era suspeito de roubar uma moto. Ele teria sido levado a uma delegacia em seguida, de onde teria sido liberado pouco depois, por não ser reconhecido pela vítima.

Chamado para fazer a identificação do corpo do filho, o comerciante Jurandy Silva Santana, porém, não reconheceu o corpo como sendo o de Geovane. De acordo com ele, o cadáver não tem as tatuagens feitas pelo filho - uma delas, em uma lateral do tronco, com o nome do pai. "Se ele estiver morto, mesmo, só descanso depois de enterrá-lo", afirmou Santana. O secretário de Segurança Pública, Maurício Barbosa, afirmou que as investigações ainda estão em curso, mas que pelo menos as mãos encontradas são do jovem, por causa das digitais correspondentes. 

Foi o comerciante quem iniciou as investigações sobre o desaparecimento de Geovane, após percorrer delegacias e hospitais de Salvador por dois dias, sem localizá-lo. Ao refazer os últimos trajetos conhecidos do filho, Santana acabou encontrando um vídeo, feito por uma câmera de segurança de um estabelecimento comercial, que mostra Geovane sofrendo a abordagem dos policiais e, em seguida, sendo colocado na viatura. A motocicleta na qual ele andava, levada por um dos PMs, ainda não foi localizada.

Barbosa informou que a secretaria está tentando localizar vídeos de outras câmeras de segurança da região para apurar as circunstâncias do desaparecimento de Geovane. "O interesse maior de apurar a responsabilidade desses policiais no caso é nosso", afirmou o secretário.

Mais conteúdo sobre:
Salvador

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.