Governo dá carne para sem-terra

Integrantes do MST que ocupam a Secretaria de Agricultura estão recebendo ajuda do governo

Tiago Décimo, O Estado de S.Paulo

16 Abril 2011 | 00h00

Os cerca de 3 mil integrantes do Movimento dos Sem Terra (MST) que ocupam, desde a tarde de segunda-feira, a área externa da Secretaria de Agricultura da Bahia, em Salvador, receberam do governo baiano banheiros químicos, chuveiros e toldos, além de carne e verduras.

De acordo com a assessoria da secretaria, o grupo havia pedido ajuda ao governo já na primeira noite da invasão. Segundo o MST, os integrantes tinham levado arroz e feijão ao acampamento, mas não tinham carne, nem acesso a banheiros. O pedido foi levado pela secretaria à análise do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia e à Procuradoria-Geral do Estado, sob o argumento de que o Estado precisava "garantir a preservação do patrimônio público e a dignidade das pessoas". O pedido não foi vetado e o governo instalou os banheiros químicos e passou a doar, segundo a assessoria, cerca de 600 quilos de carne por dia aos sem-terra.

A decisão pelo apoio aos manifestantes está sendo defendida pela base aliada do governador Jaques Wagner na Assembleia.

O líder do partido na Casa, Zé Neto, por exemplo, chegou a afirmar que é melhor, para a imagem do governo, acolher os sem-terra do que tratá-los com violência. "Eles não são nossos adversários", argumentou.

O vice-presidente do DEM na Bahia, principal opositor ao governo, Heraldo Rocha, por outro lado, compara as "regalias" dadas ao MST com a falta de medicamentos nos hospitais baianos.

"O governo precisa avaliar melhor suas prioridades", critica Rocha.

A ação, de acordo com o MST, faz parte do chamado Abril Vermelho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.