Governo dá prioridade a caso de seqüestro de família

O esclarecimento e a prisão dos criminosos que praticaram o resgate de presos em Araraquara é prioridade segundo o governo. Uma equipe especial de policiais foi designada neste domingo para apurar o caso pelo secretário da Segurança Pública, Marco Vinicio Petrelluzzi, a pedido do secretário da Administração Penitenciária, Nagashi Furukawa. Para a polícia, a quadrilha que resgatou os presos pode ter sido contratada especialmente para executar esse serviço. A secretaria ainda reluta em considerar a ação como sendo uma obra do Primeiro Comando da Capital (PCC), facção criminosa que atua nos presídios paulistas e tem a Penitenciária de Araraquara como uma de suas mais fortes bases - durante algum tempo ela abrigou o segundo homem na hierarquia do PCC, o assaltante de bancos Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola. No ano passado, além de transferir Marcola para o Centro de Readaptação Penitenciária (CRP), em Taubaté, o diretor da prisão, Leandro Pereira, pediu à secretaria que enviasse a tropa de choque da PM para que esta revistasse a cadeia em busca de armas e telefones celulares. O objetivo era desarticular o PCC na penitenciária. Furukawa mandou neste domingo a Araraquara o corregedor do sistema prisional, Clayton Alfredo Nunes. Sua função será tomar os depoimentos dos funcionários que estavam de plantão e de testemunhas para avaliar quais as providências administrativas que serão tomadas. A secretaria não descarta a possibilidade de participação de funcionários no fornecimento de informações à quadrilha que praticou o crime.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.