Governo de Alagoas cria acampamento e casas para vítimas de enchentes

Área de 56 mil m² será usada para as construções provisórias

Solange Spigliatti, da Central de Notícias

05 de agosto de 2010 | 09h37

SÃO PAULO - O governo de Alagoas deve iniciar a partir da segunda quinzena de agosto a construção de 1.022 casas e um acampamento provisório destinados às famílias que tiveram suas casas destruídas e danificadas pelas enchentes em São José da Laje.

 

O projeto arquitetônico no conjunto habitacional, que será feito às margens da Rodovia BR-104, na localidade conhecida como "Cutia Queimada", com uma área de 56 mil m², foi elaborado pela equipe de arquitetos e engenheiros do Serviço de Engenharia de Alagoas (Serveal).

 

Como explicou o coordenador do Programa da Reconstrução das cidades atingidas, secretário Luiz Otávio Gomes, o processo para desapropriação do terreno para a construção das residências, que deve começar no próximo dia 20, já está em fase final de conclusão na Procuradoria Geral do Estado (PGE).

 

Acampamento

 

Os técnicos do Programa da Reconstrução anunciaram ainda que até o dia 15 agosto todas as 120 barracas estarão prontas para abrigar as famílias que ainda estão desalojadas em São José da Laje.

 

O acampamento provisório será instalado no bairro Tijuca, localizado na parte alta da cidade. Além de abrigar cada família individualmente, o acampamento provisório terá cozinha comunitária, lavanderia, banheiros e sanitários químicos.

 

O comandante da Polícia Militar de Alagoas, coronel Dalmo Sena, assegurou ainda que um posto policial será instalado no acampamento para dar mais segurança às famílias.

 

Foi definido, também, que a prefeitura vai fornecer o café da manhã e o jantar. Por enquanto, o governo do Estado, por meio da Secretaria de Assistência Social, vai disponibilizar as refeições para o almoço.

Tudo o que sabemos sobre:
Alagoaschuvasacampamentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.