DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO

Governo de RR pede ajuda federal e secretário fala em 'herança maldita'

Governadora pede 100 agentes da Força Nacional de Segurança para auxiliar 'no controle' da Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, onde 33 foram mortos

Fábio Serapião, Enviado especial

09 Janeiro 2017 | 15h33

BOA VISTA - Em coletiva realizada na manhã desta segunda-feira, 9, o secretário de Justiça de Roraima, Uziel Castro, e o delegado-geral em exercício, Marcos Lázaro, divulgaram o pedido de ajuda que fizeram ao governo federal e falaram sobre as causas do massacre de 33 presos na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Boa Vista, capital do Estado.

No pedido de ajuda encaminhado ao presidente Michel Temer e ao ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, a governadora Suely Campos (PP) reitera a necessidade de envio de 100 policiais da Força Nacional de Segurança para auxiliar "no controle" da Monte Cristo. Segundo a governadora, o Estado atualmente não pode garantir a integridade física dos presos de "forma plena" sem comprometer o policiamento ostensivo nas ruas de Boa Vista.

Ainda no pedido, Suely Campos aponta a necessidade de envio da Força de Intervenção Penitenciária Integrada, grupo especializado do Departamento Penitenciário Nacional (Depen). No documento, a governadora explica que o grupo já atuou na retomada do controle de um presídio no Ceará.

Além do reforço no efetivo, a governadora solicita auxílio financeiro para conclusão da Penitenciária de Rorainópolis, no sul do Estado. Segundo o requerimento, a obra foi abandonada na gestão passada e poderia acrescentar 660 vagas no sistema prisional estadual. O valor pedido é de R$ 9,9 milhões. 

Outro ponto do pedido divulgado nesta segunda pelo governo de Roraima é a transferência imediata para presídios federais de oito detentos identificados como líderes da facção envolvida nas 33 mortes. 

Secretário. O secretário de Justiça, Uziel de Castro, classificou a situação prisional do Estado atualmente como "herança maldita" herdada dos governos anteriores. "O governo recebeu o Estado falido, com um R$ 1 bilhão em dívidas. O governo anterior nunca fez uma obra no sistema penitenciário", afirmou o secretário. 

Para Castro, o governo não está tapando o sol com a peneira e a situação de Roraima se repete na maioria dos Estados brasileiros. 

"Vivemos uma tensão todos os dias. Ontem à noite teve tensão na cadeia pública e na Monte Cristo", afirmou. "O problema central hoje é uma guerra de poder entre as facções", completou. 

Segundo o delegado Marcos Lázaro, foi instaurado um inquérito para apurar de onde partiu a ordem para as mortes e quem são as lideranças responsáveis pela execução do massacre. O inquérito tem um prazo de 30 dias. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.