Governo de SP adia reunião com servidores da Saúde no TST

A reunião entre funcionários públicos estaduais do setor da Saúde de São Paulo com representantes do governo paulista, que estava marcada para hoje, no Tribunal Superior do Trabalho (TST) foi remarcada para a próxima terça-feira, dia 22, às 10 horas. O adiamento foi solicitado pelo procurador do Estado, José Roberto de Moraes, ao ministro Ronaldo Lopes Leal, vice-presidente do Tribunal, que coordenou o primeiro encontro entre as partes no TST, na semana passada. Na oportunidade, o ministro Ronaldo Leal sugeriu a incorporação aos salários dos servidores da Saúde do maior número possível das várias gratificações que compõem a remuneração da categoria. O representante do Estado comprometeu-se a solicitar estudos de viabilidade desta medida e ontem informou ao ministro Ronaldo que não houve tempo hábil para a sua conclusão, daí o pedido de adiamento.Os trabalhadores da área de Saúde de São Paulo estavam em greve desde o dia 11 de maio. A paralisação foi considerada não abusiva pelo Tribunal Regional do Trabalho do Estado (2ª Região), mas o governo paulista recorreu da decisão ao TST com pedido de efeito suspensivo. Antes de despachar o pedido que suspende a eficácia da decisão regional até o julgamento do mérito do recurso pelo TST, o ministro Ronaldo decidiu reunir as partes em busca de uma solução conciliatória para o impasse. No encontro da semana passada, os trabalhadores ficaram de levar à assembléia-geral o apelo do vice-presidente do TST para que suspendessem a greve enquanto as negociações fossem retomadas no TST. Na quarta-feira, dia 9, a categoria decidiu pela suspensão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.