Governo de SP assume defesa de policiais no caso Castelinho

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse hoje que o Estado vai assumir a defesa dos 53 policiais acusados de terem executado 12 bandidos supostamente ligados ao Primeiro Comando da Capital (PCC), em março de 2002, numa operação realizada na rodovia Castelinho. Caso sejam condenados, eles podem receber penas superiores a 200 anos de prisão.Durante a solenidade de formatura de 307 soldados da Polícia Militar, em Sorocaba, o governador disse que "é uma atitude normal da polícia" recorrer a advogados do Estado na defesa dos seus integrantes. Segundo ele, o episódio envolvia criminosos de alta periculosidade.O secretário da Segurança Pública, Saulo de Castro Abreu Filho, disse que a opção de defesa será dos policiais. "Eles podem ter uma defesa técnica contratando um advogado próprio, ou podem optar pela defesa do Estado", disse. Ele garantiu que não sabia da operação na Castelinho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.