EFE/ Paulo Fonseca
EFE/ Paulo Fonseca

Governo deixou de fiscalizar 73% de barragens de rejeito no País

Após tragédia de Mariana, vistorias da Agência Nacional de Mineração chegaram a pouco mais de 200 barragens

André Borges, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2019 | 19h16

BRASÍLIA – Mesmo após o desastre da barragem de Mariana, o Brasil mantém uma estrutura precária de fiscalização de suas barragens. Dados do Relatório de Segurança de Barragens de 2017, publicado no ano passado, apontam que Agência Nacional de Mineração (AMN) é responsável pela fiscalização de 790 barragens de rejeito espalhadas pelo País. O trabalho de fiscalização, porém, limitou-se a apenas 211 vistorias ocorridas em 2017, o que equivale a 27% dessas instalações. 

O levantamento divulgado pela Agência Nacional de Águas (ANA) compila informações de todos os órgãos responsáveis por barragens no País. As estruturas ligadas à área mineração estão sob a tutela da ANM, que repassa relatórios sobre suas barragens à ANA. O levantamento de 2017 traz uma lista de 45 barragens que, segundo 13 órgãos de controle, teriam situação preocupante, “por possuírem algum comprometimento importante que impacte a sua segurança”. A barragem de Brumadinho, da Vale, no entanto, não aparece nesta relação e nem mesmo é citada no relatório.

Entre os 45 empreendimentos com problemas estruturais, a ANM apresenta cinco barragens, todas em Minas Gerais, mas nenhuma delas da mineradora Vale. A reportagem procurou a ANM para obter informações sobre as fiscalizações que já realizadas na estrutura da barragem que rompeu nesta sexta-feira, 25, mas não obteve retorno.

O cenário nacional das barragens é marcado pelo informalidade. O Brasil possuía, até dezembro de 2017, nada menos que 24.092 barragens cadastradas pelos órgãos fiscalizadores, englobando todo tipo de barragem. Do total de barragens cadastradas, apenas 13.997 (ou 58%) possuem algum tipo de ato de autorização (outorga, concessão, autorização, licença, entre outros) e estão regularizadas. Pelas informações dos órgãos reguladores, 4.510 barragens (ou 18,7% do total cadastrado) submetem-se à Política Nacional de Segurança de Barragens (PNSB). “As demais 18.324 (ou 76% das barragens cadastradas) não possuem informações suficientes para dizer se elas se submetem ou não à PNSB”, informa o relatório.

Por meio de nota, a ANA informou que, na elaboração do RSB 2017, encaminhou formulário para os órgãos fiscalizadores, que declararam as informações sobre as barragens sob sua responsabilidade. 

Segundo a ANA, a ANM foi questionada sobre quais barragens estariam em situação crítica, mas a estrutura da Vale em Brumadinho, de fato, não foi mencionada. “A barragem rompida nesta sexta-feira (25) não foi classificada como crítica pela Agência Nacional de Mineração (ANM), responsável pelas informações das barragens de rejeito de minério”, declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.