Governo demite mais um líder da greve da polícia

O governo baiano reagiu com dureza mais uma vez à pressão dos policiais militares insatisfeitos, sindicalistas e parlamentares de partidos de esquerda que apoiam o movimento dos policiais: a secretária de Segurança Publica, Kátia Alves, demitiu no final da tarde desta quinta-feira o presidente do Sindicato dos Policiais Civis, Crispiniano Daltro.Além disso, o governo organizou uma passeata de delegados, deputados do PFL e seus correligionários em apoio às medidas do governo baiano contra os grevistas.Providências legaisDaltro disse que vai esperar a publicação de sua demissão no Diário Oficial do Estado nesta sexta-feira para tomar providências legais. Ele revelou que o motivo alegado pela secretaria foi uma greve de fome que realizou junto com o perito José Felipe em 1999 por melhores condições de trabalho."Meu colega recebeu uma suspensão de 30 dias, e eu fui demitido, é óbvio que foi uma retaliação", disse. Ele afirma que o ato é ilegal, pois possui imunidade sindical.DesagravoQuando tomaram conhecimento de que o governo baiano estava organizando uma passeata de desagravo no mesmo local e hora dos sindicalistas, os líderes do movimento dos policiais militares decidiram cancelar o ato que fariam e se reuniram no Sindicato dos Bancários para discutir a situação.Cartilha para turistasEm meio à crise na polícia baiana, a Delegacia de Proteção ao Turista (Deltur) começou a distribuir nesta quinta-feira uma cartilha traduzida para vários idiomas, visando orientar o turista que vai brincar o carnaval de Salvador a se proteger contra os assaltos.A publicação pede para que as pessoas vão para as ruas sem jóias, relógios, carteira, cartões de crédito e muito dinheiro. Apenas um documento de identificação e o dinheiro necessário para a circulação é suficiente, conforme a Deltur.Outro alerta é no sentido dos visitantes desconfiarem das pessoas com excesso de gentilezas (pois pode ser um ladrão tentando dar algum golpe) e não aceitar bebidas de estranhos, pois podem estar drogadas.A delegada Lindaiá Mustafa nega que a cartilha tenha surgido agora por causa da ameaça de greve da polícia no carnaval, informando que é praxe a Deltur divulgar orientações desse tipo numa festa que reúne quase dois milhões de pessoas nas ruas de Salvador.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.