Tasso Marcelo/AE
Tasso Marcelo/AE

Governo destina R$ 10 milhões para nova campanha do desarmamento

Para otimizar ação, governo promete ampliar postos de coleta e indenizações mais rápidas

Alfredo Junqueira, O Estado de S. Paulo

06 de maio de 2011 | 14h48

RIO - A previsão do governo federal para a nova campanha nacional de desarmamento, lançada nesta sexta-feira, é tímida se comparada às outras duas edições anteriores. De acordo com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, o orçamento da pasta para pagamento de indenizações a pessoas que entregarem suas armas é de R$ 10 milhões. Como o valor mínimo por compensação é de R$ 100 para armas de baixo calibre, o ministério dispõe de recursos para bancar no máximo 100 mil pagamentos. Nas campanhas anteriores, 2004/2005 e 2008/2009, foram recolhidas 550 mil armas, mas não foi informado o valor total pago em indenizações.

 

Cardozo disse que está torcendo para que tenha que cortar recursos em outras iniciativas do ministério para poder ampliar a dotação para pagamentos de indenizações. O ministro ainda afirmou que os cortes orçamentários de R$ 50,1 bilhões promovidos pelo governo federal em fevereiro não vão afetar a campanha ou qualquer outra iniciativa da pasta. No caso do Ministério da Justiça, o contingenciamento soma R$ 1,52 bilhão.

 

"Que Deus me ajude a ter que cortar outras ações do ministério para colocar mais de R$ 10 milhões (para pagar indenizações). Nunca vi nenhum ministro gostar quando acaba um recurso. Eu vou gostar se isso acontecer e vou encontrar mais recursos dentro do ministério para comprar mais armas", disse Cardozo, após a solenidade de lançamento da campanha no Palácio da Cidade, sede social da Prefeitura do Rio, em Botafogo, zona sul da capital.

 

Apesar do orçamento modesto, a campanha deste ano tem inovações para tentar facilitar a entrega das armas. Será garantido o anonimato das pessoas que doarem seu armamento. As peças recolhidas serão inutilizadas de imediato, as indenizações poderão ser sacadas no dia seguinte à doação e o número de postos de entrega será ampliado, com o credenciamento de instituições e entidades da sociedade civil. A campanha vai até o dia 31 de dezembro.

 

Em discurso, Cardozo reclamou das críticas de que a antecipação do início da campanha era oportunista e demagógica. "Há quem diga que essa campanha é feita por oportunismo e me atribuem uma conduta demagógica. Quero dizer que se eu tivesse o poder de fazer uma campanha dessa sozinho, eu faria. Mas não é o caso. A campanha foi feita com parceiros", argumentou o ministro, que, à tarde, seguiu para Volta Redonda, no interior do Estado, para acompanhar a destruição de mais de mil armas nos fornos da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Participaram do ato o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), o prefeito da cidade, Eduardo Paes, e representantes de associações e entidades.

 

Prevista para começar apenas em junho, a campanha foi antecipada em um mês como resposta ao massacre promovido por Wellington Menezes de Oliveira na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, no dia 7 de abril. O atirador matou 12 alunos, feriu outros 12 e se matou usando dois revólveres comprados no mercado negro. Pais dos estudantes mortos acompanharam o evento.

 

"Vamos abraçar essa campanha. Muita arma na rua é igual a aumento da violência. Se essa campanha tivesse ocorrido dois meses atrás, talvez essa tragédia não tivesse acontecido", disse o mecânico José Eduardo Jesus Pereira, 35 anos, tio de Géssica Guedes Pereira, 15, uma das vítimas do atirador.

 

"Para que a pessoa tem arma? Por que guardar em casa?", questionou o militar reformado Raimundo Nazareth, 46, pai de Ana Carolina Pacheco da Silva, 13, outra vítima. Ele está fundando a Associação dos Familiares e Amigos dos Anjos de Realengo. "Quero é que a morte da minha filha não seja em vão."

 

Texto atualizado às 19h10.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.