Governo deve ampliar saque do seguro-desemprego em SC

Ministro do Trabalho disse que benefício será dado nas regiões cujas empresas interromperam atividades

Isabel Sobral, Agência Estado

02 de dezembro de 2008 | 18h47

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, anunciou nesta terça-feira, 2, a intenção do governo de liberar até sete parcelas do benefício do seguro-desemprego para trabalhadores das áreas do Estado de Santa Catarina que se encontram em estado de calamidade pública por causa das enchentes.   Veja também: Situação de solo não mudou em SC, diz IPT Desvio é feito na principal ligação entre PR e SC Saiba como ajudar as vítimas da chuva IML divulga lista de vítimas identificadas Repórteres relatam deslizamento em Ilhota  Mulher fala da perda de parentes em SC Tragédia em Santa Catarina  Blog: envie seu relato sobre as chuvas  Veja galeria de fotos dos estragos em SC   Tudo sobre as vítimas das chuvas       Atualmente, é permitido o saque de três a cinco parcelas do seguro-desemprego, e o valor varia de acordo com o salário recebido e com o setor de atividade do empregado. O mínimo é de R$ 415,00, e o máximo é de R$ 776,46.   A proposta de ampliação do limite terá que ser formalizada por uma resolução do Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat). Após a publicação da medida, o Ministério do Trabalho definirá os detalhes para os procedimentos de saque do benefício.   "A medida visa atender as vítimas da tragédia que acomete Santa Catarina, principalmente os trabalhadores do vale do Itajaí, que enfrentam sérias dificuldades neste momento", declarou Lupi.   Ele informou que terão direito ao benefício os trabalhadores das regiões atingidas cujas empresas tiveram suas atividades interrompidas. "A intenção do governo é que o trabalhador acometido pela calamidade saiba que poderá contar com o direito de receber o benefício", disse o ministro.   Lupi acrescentou que, após a publicação da medida, os trabalhadores dessas regiões poderão se dirigir às agências do Ministério do Trabalho para solicitar o benefício. Ele informou também que o Ministério do Trabalho divulgara a lista do locais de atendimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.