Governo Dilma é aprovado por 48%, diz Ibope

O governo Dilma Rousseff é considerado ótimo ou bom por 48% dos brasileiros, segundo pesquisa CNI/Ibope divulgada ontem. Já o desempenho pessoal da presidente é aprovado por 67% dos entrevistados.

Daniel Bramatti, O Estado de S.Paulo

11 Agosto 2011 | 00h00

Em relação à pesquisa do Ibope feita no fim de março, também encomendada pela Confederação Nacional da Indústria, houve queda de 8 pontos porcentuais na parcela da população que considera o governo ótimo ou bom. O índice de ruim/péssimo subiu de 5% para 12%.

Diferentemente do Ibope, pesquisas feitas pelo instituto Datafolha no início de março, junho e agosto registraram estabilidade na avaliação positiva da administração (47%, 49% e 48% de ótimo e bom, respectivamente).

Isso indica que o levantamento de março do Ibope registrou um pico atípico de aprovação ao governo e à presidente. A pesquisa foi feita logo depois da visita do presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ao Brasil. Na época, elogios públicos do norte-americano a Dilma tiveram grande exposição na mídia.

Do fim de março para cá, a presidente passou por escândalos e crises que culminaram na queda dos ministros Antonio Palocci (Casa Civil) e Alfredo Nascimento (Transportes). Nelson Jobim, da Defesa, também perdeu o cargo após criticar colegas do ministério em uma entrevista. No caso dos Transportes, a "faxina" promovida pelo Palácio do Planalto resultou na demissão de cerca de 20 funcionários supostamente envolvidos em irregularidades.

O último escândalo do governo - a recente prisão de dezenas de servidores do Ministério do Turismo, acusados de fraudar um convênio - não teve seus efeitos medidos pela pesquisa, pois ocorreu depois da realização das entrevistas. Foram ouvidos 2.002 eleitores, em 141 municípios, entre 28 e 31 de julho.

Setores, Apesar de o governo como um todo ser mais aprovado que desaprovado, o mesmo não se verifica quando os entrevistados respondem sobre nove áreas específicas da gestão. Em sete desses tópicos, o número de eleitores insatisfeitos supera o de satisfeitos.

É o caso, por exemplo, da política de combate à inflação, desaprovadas por 56% e aprovadas por 38%, e da política de juros (63% e 29%, respectivamente).

As únicas áreas em que o governo é majoritariamente aprovado são o combate à fome e à pobreza (57%) e o meio ambiente (52%).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.