Governo distribui 10 milhões de camisinhas no carnaval

O Ministério da Saúde deu início neste domingo à distribuição de 10 milhões de preservativos nos locais de concentração de foliões, como parte do programa de prevenção à aids no carnaval em todo o Brasil. A nova remessa se soma aos 15 milhões de camisinhas que já foram repassadas pelo Ministério aos Estados no mês de janeiro, repetindo os 25 milhões de preservativos distribuídos neste mesmo período do ano passado. A campanha de prevenção foi lançada pelo ministro da Saúde, Agenor Álvares, em um evento na Mangueira, no Rio de Janeiro. Além dos preservativos, o projeto inclui propagandas para a TV e rádio, com o slogan "Com camisinha, a alegria continua durante e depois da festa". "Essa mensagem não é para ficar apenas como mensagem de Carnaval, é uma mensagem para que todos tenham consciência de que você pode ter uma alegria continuada depois do Carnaval com a prevenção", disse o ministro a jornalistas antes de participar de uma feijoada no Centro Cultural Cartola. O ministro destacou o sucesso do programa brasileiro de prevenção à Aids, que tem investimento anual de R$ 1,4 bilhão. "É um programa modelar e inclusive recomendado por vários outros países do mundo", afirmou Álvares. O projeto do governo federal de implantar máquinas de camisinhas em escolas públicas a partir de 2008 foi defendido pelo ministro, que garantiu ter o apoio de alunos, pais e professores para a medida. A intenção é instalar o equipamento em escolas públicas de ensino médio de todo o País. "Pela pesquisa, ficou evidente que muitos jovens podiam estar querendo a camisinha e tinham vergonha de pedir, onde que ele ia buscar? Então, com a maquininha você fica mais à vontade", disse o ministro. As escolas que serão contempladas com a máquina serão escolhidas ainda este ano, dentre as mais de 100 pesquisadas em 14 Estados. "A aceitação foi muito boa, então agora é aperfeiçoar a idéia", finalizou.

Agencia Estado,

11 Fevereiro 2007 | 17h46

Mais conteúdo sobre:
carnaval carnaval 2007

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.