Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Governo do ES cria comitê permanente para negociar com policiais

Grupo será instaurado nesta quinta-feira e estará 'à disposição em horário integral'; crise já deixou 95 mortos

O Estado de S.Paulo

09 Fevereiro 2017 | 02h15

SÃO PAULO - O governo do Espírito Santo criou na noite desta quarta-feira, 8, um comitê de negociação com representantes do movimento que impede a saída de policiais militares dos batalhões das principais cidades do Estado.

De acordo com nota oficial do governo capixaba, o Comitê Permanente de Negociação vai estar à disposição em horário integral todos os dias da semana para se reunir com uma Comissão, a ser constituída "por representantes da corporação e por pessoas que representem as reivindicações do movimento da categoria, designadas de forma permanente".

A nota ressalta que o governo está "permanentemente aberto ao diálogo" e que realizou desde sexta-feira, 3, seis reuniões com representantes do movimento da PM.

O Comitê é composto pelos secretários de Direitos Humanos, Júlio Pompeu; da Fazenda, Paulo Roberto Ferreira; Casa Civil, José Carlos da Fonseca Júnior; e do Controle e Transparência, Eugênio Ricas.

O decreto será publicado no Diário Oficial do Estado nesta quinta-feira, 9, e assinado pelo governador em exercício capixaba, César Colnaghi (PSDB).

Descontrole. A crise da segurança pública no Espírito Santo já deixou ao menos 95 mortos desde sábado, 4. Nesta quarta, a situação ganhou contornos mais dramáticos. A Polícia Civil paralisou as atividades, suspendendo registros de ocorrência e atendimento. A PM manteve o motim.

A interrupção dos serviços pelos civis foi decidida após a morte do policial Marcelo Albuquerque, de 44 anos, que tentou impedir um assalto em Colatina, na Grande Vitória.

A Polícia Militar capixaba está há cerca de quatro anos com o salário congelado. A inflação do período, a partir de julho de 2013, atingiu o valor acumulado de 28,5% em dezembro, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). A defasagem é apontada como principal motivo dos oficiais não saírem às ruas. O Estado diz que, com o orçamento apertado, não pode dar reajuste.

Para auxiliar o governo capixaba a retomar o controle da segurança pública, os Ministérios da Defesa e da Justiça autorizaram a ida de mais 550 militares e 100 agentes da Força Nacional de Segurança para o Estado. A ajuda federal, solicitada para o reforço do policiamento, chega agora a 1.850 homens.

Nesta quarta, ônibus não circularam e as escolas permaneceram fechadas. Moradores enfrentaram filas de até três horas nos supermercados. Muitas redes limitaram o acesso para evitar saques.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.