Governo do PR exige saída de sem-teto de prédio invadido

O governo do Paraná deu prazo até as 18 horas deste sábado para que 40 famílias de sem-teto que ocupam um prédio que era utilizado pelo Banco do Estado do Paraná (Banestado) deixem o local. O prédio, com nove andares, além de dois subsolos e um mezanino, foi invadido no dia 7 de junho. "O cumprimento da ordem de reintegração será a qualquer momento a partir das 18 horas", informou o tenente-coronel PM Mauro Pirolo. Ele esteve no prédio para conversar com as famílias e avisar de possível ação policial, se não houver desocupação pacífica. "Estão aqui há algum tempo, já fizeram o seu papel, sua pressão política e tiveram espaço na mídia", justificou. "Estou conversando e dando a essas pessoas oportunidade para que deixem o prédio pacificamente, retornando para onde estavam." O líder dos invasores, Anselmo Schwertner, disse que eles pretendem negociar com o governo. "Não podemos sair de mãos vazias, porque as famílias rescindiram contratos de aluguel, trouxeram mudanças aqui para dentro e não têm para onde ir", afirmou. Ele disse que o Movimento Nacional de Luta pela Moradia (MNLM) tem uma proposta para transformar o prédio em local de moradia e em uma escola de cooperativismo da reforma urbana. Segundo ele, se houver a desocupação do prédio, as famílias poderão acampar em frente, na Rua Marechal Deodoro, no centro de Curitiba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.