Fábio Motta/AE
Fábio Motta/AE

Governo do Rio diz que não há mais negociação com bombeiros

Secretário afirma que negociações foram encerradas após invasão do Quartel Central

Alfredo Junqueira, O Estado de S. Paulo

06 de junho de 2011 | 12h45

RIO - O governo do Rio de Janeiro confirmou nesta segunda-feira, 6, que não há mais nenhum canal de negociação com os bombeiros fluminenses. Os militares estão em estado de greve desde a manhã de sábado, depois que o Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) expulsou um grupo de bombeiros que havia tomado o Quartel Central da corporação na noite de sexta-feira. 439 militares foram presos.

 

Veja também:

linkCabral diz que crianças foram escudo humano

linkBombeiros presos podem ter pena de até 10 anos

link'Esse processo não acaba em 50 anos', afirma jurista

Apesar do governador Sérgio Cabral (PMDB) ter se recusado a falar sobre o assunto na manhã desta segunda-feira, 6, após solenidade no Palácio Guanabara, o secretário de Estado da Casa Civil, Regis Fichtner, disse que as conversas com os bombeiros foram encerradas após o episódio no Quartel. "Tínhamos um canal de negociação, mas ele foi fechado por causa da invasão", limitou-se a dizer Fichtner.

 

Sorrindo, Cabral afirmou à imprensa que qualquer informação sobre a questão dos bombeiros seria tratada pelo coronel Sérgio Simões, comandante geral da corporação, nomeado pelo governador na manhã de sábado.

 

Os bombeiros alegam que o governo se recusou a conversar sobre as reivindicações desde que o movimento por melhorias de salário começou, há cerca de três meses. As negociações teriam se limitado a reuniões com o líder do governo na Assembleia Legislativa (Alerj), deputado André Correa (PPS), e com o secretário de Estado de Planejamento e Gestão, Sérgio Ruy Barbosa.

 

A categoria pleiteia aumento do piso salarial dos atuais R$ 950 líquidos para R$ 2 mil, além de melhorias das condições de trabalho e benefícios como vale-transporte.

Tudo o que sabemos sobre:
bombeirosquartel centralgreveRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.