Governo do Rio vai ter uma sede na Rocinha

A favela da Rocinha terá uma sede do governo do Estado. O local reunirá representantes de serviços públicos, como defensoria pública, companhia de água e esgoto, e emissão de documentos. A idéia é de que os programas do governo na favela tenham visibilidade. ?Queremos que a presença do Estado seja uma coisa fisicamente perceptível. É preciso que a população reconheça que o governo está permanentemente presente em todos os territórios, não só no asfalto?, afirmou o secretário de Ação Social, Fernando William. Ele e o vice-governador Luiz Paulo Conde estiveram reunidos na manhã de hoje com líderes comunitários da favela.William diz que a Rocinha é uma das favelas mais beneficiadas por programas sociais do governo ? 500 famílias recebem oCheque-Cidadão, outras 500 integram o programa Leite-Saúde, 80 jovens fazem parte do Jovens pela Paz, com salário mensal de R$ 240, e 45 adolescentes recebem bolsa de R$ 150 pelo programa Vida Nova. ?É uma comunidade em que a ação do poderpúblico é razoável, mas é uma região de pessoas pobres, num local de grande visibilidade, que convive com pessoas de altopoder aquisitivo, em que a procura por drogas é grande. Tudo isso gera conflitos?, diz William.A sede do governo terá serviços como emissão de carteira de identidade, habilitação para motorista, e atendimento de agentes conciliadores locais ? pessoas treinadas pelo Tribunal de Justiça para evitar que as questões simples entre moradores se transformem em ações judiciais. ?As crises não deviam existir, mas eventos dessa natureza obrigam você a rever suas ações, melhorar, corrigir. Você trabalha em cima do problema e corrige o que fez de errado. É isso o que vamos fazer?, prometeu Conde.Na reunião com as lideranças comunitárias ficou acertado o estudo de um Plano Diretor para a Rocinha. Os moradoresreivindicaram a instalação de rede coletora de esgoto, tratamento de água, escolas técnicas para alunos do nível médio. Tudo será definido nesse plano, que vai tratar ainda da polêmica sugestão do vice-governador de cercar a favela. ?Não somos contra a delimitação. Mas não queremos muro. O governo vai ter que estudar a melhor forma de fazer isso?, disse o primeiro-secretário da associação de moradores, Paulo César Valério.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.