EFE/Geraldo Maia
EFE/Geraldo Maia

Governo federal decide enviar 120 homens da Força Nacional de Segurança para Roraima

Medida é resultado de reunião no Palácio do Planalto; após o tumulto deste sábado, 1.200 venezuelanos deixaram o País

Mariana Haubert, Lu Aiko Otta e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

19 Agosto 2018 | 16h28
Atualizado 20 Agosto 2018 | 06h53

Mais 120 homens da Força Nacional de Segurança e 36 voluntários da área de Saúde devem seguir para Pacaraima (RR), na fronteira do Estado de Roraima com a Venezuela, após tumultos entre imigrantes e moradores brasileiros ocorridos nesse sábado, 18, que fizeram cerca de 1.200 venezuelanos deixarem o País

As medidas foram decididas em reunião do presidente Michel Temer com um grupo de ministros, na tarde deste domingo, 19. A informação foi divulgada em nota pelo Palácio do Planalto. "O Governo Federal continua em condições de empregar as Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem em Roraima", informa. "Por força de Lei, tal iniciativa depende da solicitação expressa da Senhora Governadora do Estado."

Os 120 homens da Força Nacional seguirão em duas etapas: 60 já estão em prontidão em Brasília, conforme informado mais cedo pelo Estado. Outros 60 poderão seguir nos próximos dias. Os 36 voluntários da área de Saúde atuarão no atendimento aos migrantes, em parceria com hospitais universitários. 

Na reunião, ficou decidido também que os esforços de interiorização de venezuelanos para outros Estados serão intensificados. Isso deverá reduzir a pressão sobre Roraima, que tem sido a principal porta de entrada para os que deixam o país vizinho em razão da grave crise econômica. A interiorização consiste no envio dos venezuelanos para outros Estados. Grupos já foram enviados para São Paulo, Mato Grosso e Brasília, entre outros.

Será criado um "abrigo de transição" em Roraima, entre Boa Vista e Pacaraima, para dar suporte aos imigrantes enquanto eles aguardam a interiorização, "de forma a reduzir o número de pessoas nas ruas", diz a nota. Ficou decidido também que uma comissão interministerial seguirá para Roraima, "para avaliar medidas complementares, que se somarão às anteriores já tomadas."

Nesta segunda-feira, 20, será realizada uma nova reunião para "concluir as negociações para o início das obras do 'linhão' que permitirá a integração do Estado de Roraima ao sistema elétrico nacional". O Estado utiliza energia gerada na Venezuela, mas têm sido frequentes os "apagões".

"O Governo Federal, atento à segurança e ao bem-estar dos brasileiros de Roraima, tem enviado esforços abrangentes para apoiá-los, reduzindo o impacto do fluxo migratório sobre a população local", diz a nota, acrescentando que o presidente Michel Temer esteve no Estado por duas vezes. 

Segundo o governo, as providências já adotadas para lidar com a crise humanitária na fronteira somam mais de R$ 200 milhões. Estão nesse cálculo a construção de dez instalações para abrigar temporariamente os venezuelanos, das quais duas estão prestes a ser concluídas, o processo de interiorização e o ordenamento da fronteira, "com controle e triagem adequados, e com a ampliação da presença da União nas áreas social e de segurança".

A nota informa ainda que o Itamaraty está em contato com autoridades venezuelanas. "No dia de ontem (sábado), esse diálogo serviu, também, para que cerca de trinta brasileiros, que se encontravam em território venezuelano, pudessem retornar em segurança ao Brasil." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.