Governo federal e prefeitura vão começar a agir na Cidade de Deus

Com a intenção de transformar a comunidade de Cidade de Deus em modelo do projetonacional de combate à criminalidade, o governo federal e a Prefeitura do Rio planejaminiciar na próxima sexta-feira uma série de intervenções sociais na favela.Dois secretários municipais participaram nesta quinta-feira de uma reunião com o secretário nacional de Segurança Pública, Luiz Edurado Soares, e o ministro da Justiça, Márcio ThomazBastos, na qual ficou definido que a prefeitura começará o trabalho com a criação de umcentro multimídia para jovens e de projetos de capacitação profissional.O presidente da Associação de Moradores da Cidade de Deus, Alexandre Lima, disse, porém, que ainda não foi procurado por autoridades para debater o projeto ? ele espera que, antes de qualquer medida, a comunidade seja consultada.De acordo com o prefeito Cesar Maia, será criado um grupo de técnicos para definir oprograma de ações na favela. ?Como se trata de medidas de caráter social e próprias daprefeitura, concordei com o secretário (Soares). Hoje (quinta-feira) em Brasília houve umaprimeira reunião, da qual participaram pela prefeitura a secretária Solange Amaral(Habitação) e o secretário Marcelo Garcia (Trabalho e Renda). Na sexta-feira devemoster um grupo formalmente constituído. Quanto às questões de criminalidade, não mecabem e foram excluídas da conversa para que possamos ter o máximo deconvergência agindo muito e falando pouco?, disse Maia.A secretária de Habitação disse que o objetivo é ?criar uma alternativa? para o jovemque é recrutado por traficantes de drogas.?Já combinamos a intervenção, que começa na sexta-feira. Será um trabalho deatração da juventude?, disse Solange. O presidente da associação de moradores disseque está ?aguardando um contato? da prefeitura.?Temos sugestões, mas ninguém procurou a associação para dizer que projeto é esse. O Centro de Defesa da Cidadaniaestá parado, sem dentistas, sem médicos?, afirmou Lima.De acordo com a secretária, está programada para este sábado uma reunião com lideranças da comunidade, com o rapper MV Bill, morador da favela, que recentemente criticou o filme ?Cidade de Deus?, afirmando que ele ?não traz nenhum benefício? para a favela.O filme, de Fernando Meirelles, baseado no romance homônimo de Paulo Lins, traça um panorama da implantação e disseminação do tráfico de drogas na Cidade de Deus, conjunto habitacional erguido na década de 60 que se transformou em favela nos anos 70 e foi palco de uma guerra entre traficantes na passagem para os 80.O conjunto habitacional foi construído numa região desabitaba e sem infra-estrutura dazona oeste para abrigar moradores transferidos de 23 favelas da cidade, entre elas a da Praia do Pinto, no Leblon, e a Macedo Sobrinho, no Humaitá. De acordo com informações do site www.favelatemmemoria.com.br, mantido pela organização não-governamental Viva Rio, o projeto, criado durante a onda de remoções do governo Carlos Lacerda, foi financiado com dinheiro da Aliança para o Progresso.Na mesma época, o governo estadual construiu outros conjuntos habitacionais pela cidade comverba do governo norte-americano, como as vilas Kennedy, Aliança e Esperança.Veja o índice de notícias sobre o Governo Lula-Os primeiros 100 dias e os ministérios

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.